Moda

A-corda, a nova marca portuguesa de acessórios inspirados em Bali

Uma surf trip ioga fez com que quatro amigos conhecessem uma artesã que lhes mudou a vida.

A aventura começou em Bali.

Marco Coelho, André Chaiça, Pedro Alves e Beatriz Valadas marcaram encontro no Aeroporto de Lisboa, no início de março. O dia ia ser longo e as mochilas estavam pesadas. Vinham aí três semanas de uma surf trip ioga, em Bali. Mas antes ainda queriam parar na Suíça para passarem umas horas na neve e fazer escala em Singapura. 

Dois dias depois chegaram finalmente ao destino. Deixaram as malas nos quartos, calçaram os chinelos e foram à aventura. Numa das paragens, em Dreamland Beach, encontraram uma mulher local com cerca de 70 anos que estava sentada na areia enquanto usava os pés para fazer pulseiras de lã. Chamava-se Luísa, disse-lhes passados uns minutos.

“Ela, como todos os outros artesãos que por ali andavam, queria vender. Foi a nossa primeira impressão. Falou-nos da história das pulseiras e disse-nos que davam sorte”, conta à NiT Marco Coelho. Bastaram alguns minutos para que os quatro amigos quisessem passar o resto da tarde com Luísa. E foi o que aconteceu, até passearam juntos pela praia à procura de nova matéria-prima para fazer as tais pulseiras. 

“Pedimos à Luísa que nos ensinasse a fazê-las, mas como ela não podia gastar a lã — afinal era o seu ganha-pão —, disse que ia connosco à procura de redes, cordas e fios deixados pelos pescadores. Com eles, íamos conseguir fazer acessórios idênticos”, conta Marco.

No final do dia, despediram-se da nova amiga. “Agora, levem as pulseiras para o mundo”, disse-lhes. Sem segundas intenções, os quatro amigos partilharam fotografias com elas nas páginas de Facebook pessoais. Os comentários apareceram logo a seguir. “Começaram a perguntar-nos onde tínhamos comprado as pulseiras e a dizer que queriam iguais”.

Ainda em Bali, criaram uma pagina de Facebook só dedicada às fotos com os novos acessórios. Página essa que entretanto foi apagada por um bom motivo: “Os pedidos eram tantos que, quando chegámos a Portugal, decidimos pegar nos ensinamentos da Luísa e criar a marca A-corda“. 

Além das pulseiras (que custam entre os 7€ e 15€), a A-corda tem fitas para óculos (dos 10€ aos 15€) feitas com cabos do mar e redes. Por enquanto, a primeira coleção só está à venda no site da marca. No entanto, “a ideia é ter parcerias com lojas e no Natal criar uma linha na neve, na Suíça”.

Marco e André — que ficaram a comandar a marca — e os dois amigos não voltaram a ver Luísa. “Ainda voltámos àquele sítio para lhe agradecer tudo isto, mas ela não estava. Contaram-nos que só foi para ali uma vez por mês. Anda em peregrinação por outros sítios”. 

Carregue na imagem para conhecer melhor os acessórios de verão da A-corda.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo