NiTfm live

Lojas e marcas

A plataforma criada por duas portuguesas para reduzir o impacto da moda no planeta

A Slow Closet recebe, organiza e vende peças em segunda mão. Fornece ainda um serviço de coaching e organização de guarda-roupa.
Irmãs pela sustentabilidade.

As irmãs gémeas Rita e Teresa Horgan, de 25 anos, não têm nenhuma formação ligada à moda, mas aperceberam-se do potencial poluidor da indústria e decidiram fazer algo para o combater. Criaram a Slow Closet, uma plataforma online onde é possível vender e comprar roupas, sapatos e acessórios em segunda mão — e em bom estado — com a pretensão de reduzir o impacto das fast fashion.

A dupla teve um contacto mais direto com o mercado de economia circular durante a visita a várias feiras em Modena e Bolonha, em Itália. Rita e Teresa apaixonaram-se por peças únicas, que já tinham pertencido a outras pessoas, que estavam espalhadas em montanhas de roupas e provavelmente acabariam em aterros sanitários.

“Depois de vermos o documentário da Netflix, “The True Cost”, apercebemo-nos do enorme impacto que a indústria da moda descartável tem para o planeta e para as vidas das pessoas que trabalham no início desta cadeia. Começamos a pensar no que podíamos fazer para diluir este impacto. A roupa é importante pela sua funcionalidade e beleza, mas porquê comprar novo, se podemos usar peças em segunda mão em ótimo estado, mais em conta e com muito menor impacto para o planeta? Decidimos deixar de consumir moda descartável e resolvemos começar este projeto”, contou Rita Horgan à NiT.

Pode usar a Slow Closet de três formas diferentes: vender peças suas, comprar peças de outras pessoas ou pagar pelo serviço de organização de guarda-roupa. Esta última opção custa 20€ por hora e o pedido pode ser efetuado em qualquer cidade do País. Entretanto, o cliente terá que cobrir os honorários e os custos de deslocação, se não for em Lisboa.

Para construir o seu guarda-roupa virtual, deve aceder ao site e marcar uma entrega das peças em “venda aqui”. A Slow Closet encarrega-se de todo o processo desde a organização dos artigos até à entrega ao comprador. 

O visual da loja virtual.

“Aceitamos peças para homem, mulher, criança e bebé. A entrega é feita pela pessoa na nossa morada, em Lisboa. As peças são selecionadas pela Slow Closet e, posteriormente, fotografadas e colocadas no site. Não é preciso pagar qualquer taxa para vender através da Slow Closet. Sempre que uma peça é vendida, uma percentagem do valor fica para a pessoa e a outra percentagem fica para a Slow Closet. As percentagens variam consoante o valor da peça”, explica Rita.

As roupas, sapatos e acessórios que não são selecionados pela plataforma poderão ser entregues pela Slow Closet a instituições de solidariedade social com as quais a equipa trabalha, se o dono das peças concordar.

Quem quiser adquirir produtos em segunda mão, basta aceder à loja virtual da plataforma. A compra é simples como em outras lojas online. O comprador tem sempre a opção de buscar a encomenda na sede da Slow Closet ou pagar os portes de envio.

A plataforma online já está em pleno funcionamento e envia todas as encomendas em papel reciclado.

O serviço de organização de guarda-roupa.