NiTfm live

Moda

Raquel Strada: “Quero ter uma opinião honesta e não dizer que gosto só porque sim”

Chama-se Blue Ginger, vai estar online à meia-noite desta quarta-feira e é o novo blogue de Raquel Strada, que o apresenta numa entrevista à NiT.

Raquel Strada adora moda, adora maquilhagem, adora viajar, adora o lado bom da vida. Até agora, escrevia sobre estas coisas todas nas redes sociais, partilhava fotos no Instagram, fazia uns vídeos no Snapchat, e era só. Faltava-lhe uma plataforma onde pudesse abordar tudo isto de forma mais continuada. É assim que nasce a ideia do Blue Ginger, o novo blogue de Raquel Strada, que é apresentado esta quarta-feira (6 de abril)à tarde num evento no restaurante 100 Maneiras, em Lisboa, e que estará online a partir da meia-noite de quarta para quinta-feira (6 para 7 de abril). A apresentadora e repórter dada SIC e SIC Mulher, de 33 anos,esteve na NiT para nos falar com mais pormenores sobre este novo projeto.Veja aquio vídeo ou leia, abaixo, a entrevista.

Porquê criar um blogue agora?
Já tinha pensado nisto há um ano, mas não era a altura certa porque estava com muito trabalho. Estava a fazer coisas para o Turismo de Portugal, estava no “Episódio Especial” e a preparar o meu casamento, ou seja, a minha vida profissional e pessoal estava um bocadinho atribulada. Concentrar-me para criar um projeto de raiz não estava a ser a coisa mais fácil do mundo. Quando me mudei para a L’Agence, em novembro, eles sugeriram este desafio que eu já tinha na cabeça. São a equipa certa com quemtrabalhar.

O seu gosto por moda vem desde miúda. De que episódios é que se lembra relacionados com este tema?
Adorava ver as noivas a passear pela Rua Augusta quando era miúda. Mas depois, quando comecei a trabalhar, ainda sem ter nada a ver com televisão, lembro-me de gostar muito de ver a Sofia Carvalho, diretora da Sic Mulher, a apresentar a ModaLisboa e de ver o “86-60-86” com a Sofia Aparício. Achava inacreditável aquilo que se passava e que eu não conseguia “tocar”. Parecia uma fantasia.

O que quer dizer quando diz que vai falar no blogue de coisas menos boas?
Quando digo que vou falar de tudo um pouco mas que nem sempre vai ser tudo positivo, é porque quero ter uma opinião honesta sobre as tendências, para onde a moda portuguesa está a caminhar. Mesmo a nível internacional quero canalizar as coisas de forma construtiva. Não quero dizer que gosto só porque sim. Quero também que as pessoas que lêem o blogue participem. Vai haver fóruns de discussão para perceber o que as pessoas gostam e do que precisam.

Quais são os seus blogues preferidos?
A nível internacional gosto muito do blogue da Chiara [The Blonde Salad], porque é quase uma referência mundial, e gosto também do Man Repeller,porque adoro a forma como a Leandra Medine escreve. A nível nacional, adoro a forma como a pipoca escreve [A Pipoca Mais Doce], a Ana tem muito sentido de humor e gosto desse sarcasmo. Adorava escrever assim mas não é assim que escrevo, infelizmente. E sigo também o blogue da Joana Barrios, a Trashédia, que é uma pessoa que escreve incrivelmente bem.

Quais são os piores erros de moda que as mulheres podem cometer?
Não acho que haja algum que seja muito crasso. Acho, essencialmente, que as mulheres têm de se sentir bem e confiantes. Já olhei para mulheres e pensei: “Oh meu Deus, eu nunca vestiria aquilo.” Mas, na realidade, aquela mulher tinha muito mais confiança do que eu e, no final do dia, safou-se muito melhor do que eu.

Disse que também vai ter no seu blogue vários sítios para comer. Quais são os seus preferidos em Lisboa?
Um dos meus favoritos é o Sem Maneiras, que é onde trabalha um dos meus chefs preferidos e meu amigo Ljubomir Stanisic. A comida é divinal mas não é muito barato. É assim para uma ocasião especial. Mais barato, com entrada, prato principal e sobremesa por 14€, é o Toma Lá Dá Cá. E ainda há outro de que gosto muito, na Bica, o Estrela da Bica, com comida mais vegie.

Acha que vai ser fácil conciliar o blogue com todos os outros projetos?
Acho que sim. Aliás, vai ser a junção perfeita. Neste momento estou no “Não Faz Sentido”, estou a preparar um programa novo e vou estar nos Globos de Ouro. Mas tenho algum tempo livre e, por isso, acho que não vai ser muito difícil. Até pelo contrário. Aquilo que quero fazer é tentar adaptar o que faço no dia a dia em updates diários. Quem corre por gosto não cansa e eu vou fazer uma coisa que quero há muito tempo.

Quando olha para trás, arrepende-se das roupas que já usou na televisão?
Já me aconteceu achar que não ficava bem com certas roupas. Nem eu, nem ninguém. Mas depois pensei: “Cada macaco no seu galho.” Se há pessoas que me vestem e maquilham desta maneira, por algum motivo será. Portanto, eu olhava-me ao espelho e adorava. Não percebia ao certo porque é que estava assim, mas sempre tentei compreender. Confesso que até hoje houve uma ou outra situação que ainda não compreendi qual era o propósito, mas pronto. Eu estou sempre de braços abertos.

Onde é que gostava que o blogue chegasse?
Não é onde eu quero que ele chegue, é o que eu quero que ele seja. Quero que seja uma plataforma que mostra o que se faz de bom em Portugal. Ao mesmo tempo, quero que isso seja reconhecido a nível internacional. Hoje lanço em Portugal, mas daqui a um mês vai estar tudo disponível em inglês. Cada vez mais vivemos numa aldeia global em que tudo o que fazemos é importante que esteja numa língua transversal a todos. Eu quero é que deixemos a nossa marca no mundo. Quando digo “nós”, é porque o blogue não vai ser só sobre mim. O Blue Ginger vai falar sobre muita gente que trabalha em várias áreas diferentes.