Beleza

Inês Franco: “O meu marido queixa-se por eu não me maquilhar”

A maquilhadora de Cristina Ferreira esteve na redação da NiT

“Não estava nada a contar subir escadas até ao quinto andar”, diz Inês Franco quando chega à redação da NiT, na Baixa de Lisboa. A maquilhadora tem 37 anos, está no final da sua primeira gravidez e é muito provável que a Mariana nasça já para a semana (a partir de 18 de janeiro).

É a maquilhadora pessoal de Cristina Ferreira, mas começou como estagiária no programa “Herman 98”, em 1998. Já passou pelo “Achas que Sabes Dançar”, “Ídolos”, “Só Visto”, “Masterchef” e muitos outros, mas diz que o programa em que mais gostou de trabalhar foi o “Gato Fedorento”. Começou o blogue em 2014, no dia 1 de abril. Queria “que fosse um dia especial”.

Inês Franco é uma maquilhadora que não se maquilha. Diz que só gosta de pôr um corretor de olheiras “para esconder o cansaço” e de um um blush “para dar mais vida”. Sempre gostou de maquilhar os outros, incluindo as amigas de adolescência quando saiam à noite.

Veja o vídeode parte da entrevista a Inês Franco em NiTtv.

Alguma vez o seu marido lhe disse que estava demasiado maquilhada?
Não, até porque eu não me maquilho. Ele queixa-se é de eu não me maquilhar. Ele costuma dizer-me: “Pois se tivesses um jantar com o Daily Cristina maquilhavas-te, mas para ires jantar comigo nem um saltinho alto pões”. Então, de vez em quando, lá ponho qualquer coisa a mais e ele gosta.

Com quem é que aprendeu a maquilhar?
Eu fiz o curso com a Cristina Gomes, maquilhadora da Catarina Furtado e da Bárbara Guimarães, quando acabei o secundário. Vi numa revista que ela ia dar um curso numa escola de manequins. Não fiz o curso de manequins, até porque não tenho altura nem ambições de ser uma. Fiz só o de maquilhagem.

Começou a gostar de maquilhagem por influência familiar? Da mãe, da avó…
Eu sou um bocadinho “casa de ferreiro, espeto de pau”, porque no geral eu não me maquilho. Aliás, se virem os meu vídeos sou sempre eu a maquilhar os outros. Em mim eu uso o básico para ter bom aspeto. Em casa, a minha mãe sempre cuidou muito bem dela, não propriamente na maquilhagem mas no geral, na roupa, por exemplo. Ela era a mais vaidosa e se calhar foi por causa dela que me comecei a interessar mais por estas coisas de beleza.

E as suas amigas? Pediam-lhe que as maquilhassem?
Sim, sempre para sair à noite para ficarem mais bonitas. Eu tinha um bocadinho de tudo, aliás, quando eu fui fazer o curso tinha uma mini mala de maquilhagem que era uma mala de viagem e elas pediam-me várias coisas. Não éramos muito dos batons. Na altura, até eram mais as mães que usavam, via-se muito aquele contorno escuro com o batom castanho, ou o lápis preto com o batom castanho. Mas nós apostávamos mais nos olhos. Nos riscos, no eyeliner, no rímel…

Os seus pais chateavam-se consigo por usar muita maquilhagem?
É como eu digo, eu não me maquilhava. Por isso eu nunca dei chatices. Isto é um contra senso, mas é verdade, eu não era de andar com maquilhagem. Eu gostava de olhar para as pessoas e imaginá-las com maquilhagem e dizer: “Ficavas bem com um risco por cima do olho e não por baixo”, “podias usar um blush assim, ou assado”. Mas nunca para mim, é engraçado.

Como foi trabalhar no Herman 98? Que recordações é que traz de lá?
Tinha um amigo que trabalhava em televisão que mostrou as minhas fotos de trabalho à Natália Bugalho, que era a maquilhadora do Herman. Ela aceitou que fosse estagiar e fiquei super nervosa, mas era tratada como qualquer outra maquilhadora. Eles sempre me trataram bem, como se já trabalhasse ali há muito tempo. Eu sentia-me nervosa por saber que eles são grandes personagens. Quer dizer, era o Herman. Mas sempre fui tratada como se sempre tivesse trabalhado ali e não como estagiária.

Quando e em que circunstâncias conheceu a Cristina Ferreira?
Conheci no “Você Na TV”. O programa não tem pessoas fixas, tem uma equipa liderada pela Carmela, que é uma maquilhadora que escolhe as pessoas que fazem os reforços. Eu ia lá esporadicamente e maquilhei a Cristina das vezes que lá ia. Como na altura ela não podia exigir a maquilhadora, eu ia a com ela a outros eventos, como passagem de modelos, por exemplo. Depois como assinou novos contratos, já podia exigir mais.

Qual vai ser o primeiro conselho de maquilhagem que vai dar à Mariana?
“Atreve-te a usar batons escuros”. Eu cometi um erro com as minhas sobrinhas — mas porque são sobrinhas estão ali uns dias comigo e depois vão ter com as mães delas — que foi começar a maquilhá-las muito cedo. Com três anos eu já lhes pintava as unhas e punha brilhantes nos olhos. Com a minha filha não quero que isso aconteça porque depois vai querer sair de casa maquilhada aos 10 anos e eu não acho muita piada a isso. Portanto, vou ter de me controlar.