NiTfm live

viagens

Veneza tem novas regras de visita — quem as quebra pode ser expulso e não voltar

São normas aprovadas pela autarquia para manter o destino turístico limpo e ordeiro. Há várias multas previstas.
A cidade das gôndolas toma medidas drásticas.

É uma das cidades mais bonitas do mundo, mas também uma das mais visitadas. Quase 30 milhões de turistas entram em Veneza, Itália, todos os anos e muitos não partem sem deixar estragos: muitas vezes acidentais mas, ainda assim, estragos. Com a população farta da situação e a própria beleza da localidade em risco, as autoridades têm tomado medidas como portões com horas específicas de entrada, taxas, controlo de turistas nos locais mais procurados ou limites ao alojamento local. E agora veio a medida maior: rigorosas regras que, a serem quebradas, implicam a expulsão e multas pesadas.

No final do mês de maio, a Câmara Municipal de Veneza aprovou novos regulamentos para manter a cidade limpa e ordenada. Dar um mergulho nos canais, fazer lixo, andar na rua sem camisa ou beber ao ar livre depois de determinada hora vão dar direito a multas e podem traduzir-se em expulsões ou ao impedimento de voltar a entrar. 

A cidade, conhecida como La Serenissima, já não é assim tão serena: outrora ponto de encontro de pintores, elites, artistas, é por vezes um autêntico parque de diversões, queixam-se os habitantes locais. Muitos deles já fugiram e dizem alguns media italianos que já só restam 55 mil habitantes locais em Veneza — menos de um terço face à segunda metade do século passado.

Agora, as autoridades decidiram tomar uma posição de força. Conta a “Lonely Planet” que pequenas violações serão punidas com multas a partir de 25€, enquanto as ofensas mais graves levarão à multa máxima de 500€. 

Isto não se aplica apenas aos turistas, mas também aos moradores e lojistas, que passam a ter de colocar os caixotes do lixo e de reciclagem a 100 metros da entrada para o seu estabelecimento, por exemplo.

A partir de 2021, todos os sacos e recipientes de uso único deverão ser biodegradáveis ​​e compostáveis, não estando ainda claro se as multas serão aplicadas aos turistas que trazem plásticos descartáveis ​​para a cidade. Esta é a medida mais distante no tempo: todas as outras deverão começar a ser já aplicadas, ainda que de forma faseada e não sendo bem certo quando começa a sua aplicação prática.

Certo é que os visitantes passam a ser ser penalizados se deitarem lixo no chão ou se sentarem — ou deitarem — em frente a lojas, monumentos históricos e pontes. Os regulamentos reiteram a proibição de nadar ou tomar banho nos canais de Veneza, que já estavam em funcionamento. E acrescentam a proibição de andar pelas ruas sem camisa ou em fato de banho, de urinar nas ruas ou de exercer comércio abusivo.

Beber álcool na rua não é permitido entre as 20 horas e as 8 horas, enquanto as festas de despedida de solteiro e de grupo passam a só ser permitidas ao ar livre durante o dia ou à noite mas nos fins de semana.

As regras são uma extensão da campanha #EnjoyRespectVenezia, introduzida no verão passado, que instruiu os visitantes a não nadarem em canais, fazerem piqueniques em espaços públicos, ou pararem por muito tempo em pontes. Aplicam-se a todas as áreas protegidas pela UNESCO, como é o caso de canais, aeroporto, estação de comboio, cais e transportes públicos.

Os infratores repetidos correm o risco de serem expulsos de Veneza e banidos do regresso, embora a autarquia reserve isso para casos excecionais e pareça priorizar as multas. 

Para controlar um pouco a entrada de turistas, Veneza vai ainda começar a cobrar este ano uma taxa de aterragem por cada pessoa que entre na cidade sem lá pernoitar (quem lá dorme já paga). Esta será de 3€, que deverão passar a ser 6€ em 2020 e podem chegar aos 10€ em épocas altas e de muitos turistas. O dinheiro será gasto na limpeza e preservação da cidade.