NiTfm live

Viagens

Visitar Amesterdão vai ser mais caro a partir de 2020

Vai subir o valor quer para hotel, como pousadas ou Airbnb. A cidade fica com a taxa de turismo mais alta da Europa.
Novas regras na cidade.

Vai ficar mais caro visitar uma das cidades mais maravilhosas do mundo. E isto porque ela tem sido vitima do seu sucesso, e não está a conseguir lidar com a invasão de turistas. A partir de janeiro de 2020, Amesterdão vai cobrar uma taxa fixa de três euros por pessoa, por noite e para qualquer visitante que pernoitar num hotel — isto em cima da tarifa que já existe atualmente, de 7 por cento. Os turistas alojados no Airbnb também terão um aumento de aluguer de 10 por cento por noite.

Segundo a “CNN“, estes aumentos tornam a cidade holandesa, “muito provavelmente”, na mais cara da Europa, em termos de taxas de alojamento. 

As mudanças, diz o canal norte-americano, significam que uma noite num hotel de uma estrela em Amesterdão “certamente cobrará uma taxa tributária mais alta do que os melhores hotéis de cinco estrelas noutras grandes capitais europeias”

Este meio dá mesmo exemplos: uma noite no Rembrandt Square Hotel, de uma estrela, oferece um quarto duplo com casa de banho partilhada por 132,46€ no Booking.com. A taxa de turismo chegará a 15,97€, que são os 9,97 € pela taxa de acomodação mais 3€ fixo, por ocupante.

Também o imposto fixo sobre os parques de campismo será de um euro por pessoa e por noite.

Cerca de um milhão de pessoas vive na cidade que recebe 20 milhões de turistas por ano. No ano passado, um novo executivo tomou posse da Câmara de Amesterdão, e anunciou como medidas urgentes — eram aliás bandeiras eleitorais — combater o que chamavam de Disneyficação da cidade, aliada à expulsão de cidadãos por causa do alojamento local 

Foi então decidido limitar alojamento de curta duração do Airbnb em áreas movimentadas, desviar os navios de cruzeiro do centro, aumentar a taxa turística, como se confirma agora, e até limitar atividades “divertidas”, como passeios de barco com álcool ou visitas de Segways. 

Com estas medidas, os partidos prevêem criar mais casas para a classe média, melhorar a limpeza, deixar entrar guias turísticos no centro só com permissão e defendem que Amesterdão é para viver e fazer negócios primeiro e só depois é destino turístico.

Já em 2017, a cidade anunciara pesadas multas por exceder os limites do Airbnb e proibira novas lojas turísticas.