NiTfm live

Viagens

Rapaz deitou ao mar uma garrafa com mensagem e recebeu resposta 9 anos depois

Max já não se lembrava de ter enviado a carta, mas ela chegou ao destino — a 6 mil quilómetros de distância.
Foi encontrada em outubro deste ano.

Em 2010, Max Vredenburgh, um rapaz norte-americano de 10 anos, atirou ao Oceano Atlântico uma mensagem dentro de uma garrafa, na esperança de que um dia fosse encontrada. Nove anos depois, recebeu uma resposta vinda de França, mais precisamente de uma distância de seis mil quilómetros desde o ponto em que a lançou, uma praia em Massachusetts, nos Estados Unidos.

Agora, com 19 anos, o estudante universitário já se tinha esquecido completamente de lançar a garrafa ao mar quando recebeu uma mensagem do pai com a resposta que chegou por correio à casa de família, a 8 de novembro de 2019.

A carta original de Max.

Max publicou na sua página de Twitter fotografias da resposta que recebeu em casa passados nove anos e da carta original, que também ia dentro do envelope. No post pode ler-se “A 21 de agosto de 2010, atirei uma mensagem numa garrafa para o oceano de uma praia em Rockport, Massachusetts.”

“A 10 de outubro de 2019, essa carta foi encontrada numa praia em França. Estou chocado. Nove anos.”, continua a publicação — que já foi partilhada por mais de 140 mil utilizadores. 

Na mensagem original, enviada em 2010, Max pedia ao destinatário para lhe responder para a sua morada, que incluiu no texto. “Vou contar-lhe um pouco sobre mim. Tenho 10 anos, gosto de maçãs, gosto de praia, a minha cor favorita é azul. Gosto de animais, de carros e do espaço. Por favor responda.”

A resposta de G. Dubois.

A garrafa foi parar a uma praia em França, entre Contis e Mimizan. G. Dubois, a pessoa que a encontrou, incluiu na resposta um mapa com a localização exata onde apareceu. “Foram precisos nove anos para cobrir os seis mil quilómetros que nos separam. Deves ter crescido muito durante esse tempo: dos 10 aos 19 anos”, escreveu o remetente.

Max contou à estação de televisão CNN que não podia acreditar que alguém lhe tinha respondido e que planeia contactar quem escreveu a carta para agradecer o gesto. “Nunca mais me vai acontecer nada assim.”

Foi aqui que a garrafa foi encontrada.