NiTfm live

Viagens

A primeira mala de viagens para ir ao espaço custa 700€ — e esgotou em horas

Foi criada por uma astronauta de 18 anos, celebra a chegada à Lua e dá para qualquer ocasião. Ainda pode ficar em espera.
Para o infinito e mais além, diria o Buzz Lightyear.

É a mala de viagem mais aeroespacial de todos os tempos e galáxias. E é a primeira que pode aguentar uma ida à Lua ou a Marte, mas que também serve para férias nas Caraíbas ou qualquer outro destino do Planeta Terra. Também é perfeita para encher o Instagram de fotos virais.

Para celebrar o 50.º aniversário da chegada do Homem à Lua, que se assinalou no passado dia 20 de julho, a empresa de equipamentos de viagem Horizn Studios, a NASA e a sua mais jovem astronauta juntaram-se para uma parceria inédita: a criação de uma mala, ou trolley, com design e materiais dignos de uma nave espacial e já preparada para as eminentes viagens comerciais ao espaço — porém utilizável para qualquer outro destino ou circunstância.

A Bagagem NASA Edição M5 foi lançada no dia 19 de julho, na loja online da Horizn e esgotou em poucas horas, apesar do seu valor: 700€. No entanto, caso ainda esteja interessado, a empresa permite que se subscreva o aviso de regresso de stock, o que quer dizer que mesmo sendo uma edição limitada ainda poderá haver mais unidades. Até porque a mala faz parte de um objetivo e de uma coleção maior, que está já a ser preparada. 

Certo é que uma das primeiras unidades desta edição NASA foi leiloada na Cerimónia do 50º Aniversário oficial do Centro Espacial dos Estados Unidos e da chegada à Lua, com todo o dinheiro angariado a ser encaminhado para crianças desfavorecidas dos EUA, através de bolsas de estudo.

Segundo a “Lonely Planet“, a edição limitada da NASA desta mala de cabine é parte de uma ampla campanha de colaboração entre a tal jovem astronauta, Alyssa Carson, e a Horizn Studios para criar a gama de futuro das viagens, chamada Horizn One. O objetivo é conseguir a bagagem tecnologicamente mais avançada do mundo, adequada para quando “for passar as férias na Lua”.

Essas malas, que estarão disponíveis por volta de 2030, serão projetadas especificamente para gravidade zero e serão equipadas com uma gama de recursos adequados para viagens espaciais. De olho na próxima grande fronteira, o espaço, e enquanto o mundo entra numa era de viagens espaciais privadas e comerciais, o turismo espacial é uma indústria emergente, que já colocou até alguns passageiros em órbita. Foi por isso pensado quais os materiais e tecnologia que seriam utilizáveis nestas circunstâncias.

Foi depois criada a parceria com Alyssa Carson, a mais jovem em astronauta em treino da NASA, para um estudo de design sobre bagagem para viagens espaciais comerciais. A escolha da astronauta tão jovem, que poderá ir a Marte numa das missões futuras da NASA, pretendeu atender às necessidades da próxima geração de viajantes.

Os detalhes mais técnicos incluem uma estrutura de fibra de carbono aprimorada por grafeno, tornando a bagagem mais flexível, mais robusta e mais leve do que qualquer outra desenvolvida até agora. A base é eletromagnética, permitindo que ela se fixe ao piso ou paredes da espaçonave para fácil acesso em gravidade zero.

As correias são extensíveis para que as malas possam ser transportadas como mochila e depois há uma série de recursos inteligentes, como armazenadores de energia altamente eficientes e carregamento sem fio de dispositivos electrónicos. Ou até uma tela inteligente integrada para permitir que os viajantes mantenham contacto e compartilhem experiências por meio de vídeo com os seus entes queridos na Terra.

A segurança biométrica permite que o utilizador desbloqueie a mala com reconhecimento de impressão digital e a função de vácuo permite máxima eficiência de armazenamento. Finalmente, um compartimento reforçado com iões de prata proporciona uma função bacteriostática, neutraliza os germes e o odor nas roupas do viajante espacial.

A NiT escreveu recentemente uma reportagem onde lhe explicou em que ponto estão as viagens comerciais ao espaço, atualmente a ser desenvolvidas por várias empresas — e até como pode conseguir o seu lugar.