Viagens

Os locais de sonho que já não pode visitar por causa do furacão Irma

Dos aeroportos aos resorts, são muitas as imagens desoladoras. Morreram 30 pessoas e os prejuízos ultrapassam os oito mil milhões de euros.

O Aeroporto Internacional Princesa Juliana é famoso pelas aterragens na praia.

“É como esperar por um monstro”, escreveu o jornalista do “Miami Herald”, David Ovalle, no Twitter. Foi assim, de facto. A 26 de agosto, o Centro Nacional de Furacões (CNF), nos EUA, detetou uma onda tropical sobre a costa ocidental africana. Quatro dias depois foi classificado como tempestade tropical Irma, a 4 de setembro já era um furacão de categoria quatro. No dia seguinte atingiu a categoria cinco.

No espaço de dias, o Irma tornou-se numa verdadeira ameaça. Tanto que conseguiu bater vários recordes, nomeadamente o de intensidade — durante 37 horas consecutivas, conseguiu manter ventos de quase 297 quilómetros por hora.

O furacão Irma chegou Antígua e Barbuda às 7 horas (hora de Lisboa) de 6 de setembro. Durante quatro horas, a ilha de Barbuda este totalmente incontactável. Às 13 horas chegou a Ilha de São Matinho, às 18 atingiu as Ilhas Virgens Britânicas. E continuou: Bahamas, Ilhas Turcas e Caicos, EUA, Ilhas Virgens, Porto Rico, Cuba, Haiti, República Dominicana, todos eles foram afetados pelo furacão.

Até ao momento, registaram-se 30 mortes e mais de oito mil milhões de euros em prejuízos. Esta segunda-feira, 11 de setembro, está no grau um, com ventos a 135 quilómetros por hora. Ainda assim, o alerta mantém-se: ele pode estar mais fraco, mas não deixa de estar perigoso.

Árvores caídas, casas destruídas, ruas reduzidas a destroços. Resorts devastados, bares famosos partidos ao meio, aeroportos devastados. Neste momento, é este o cenário em alguns dos locais mais atingidos pela força do furacão. Mostramos-lhe as imagens do antes e do depois.

Paraquita Bay, Ilhas Virgens Britânicas

O furacão Irma revirou as dezenas de embarcações de lazer no porto Paraquita Bay, na ilha Tortola (Ilhas Virgens Britânicas).

depois
antes

Ivan’s Stress Free Bar & White Bay Campground, Ilhas Virgens Britânicas

Era o pequeno paraíso de Ivan Chinnery, que em 1991 decidiu construir um sítio totalmente livre de stress. O resultado foi um dos bares mais turísticos da região, que tinha como companhia um acampamento com um total de 16 bungalows, quatro tendas equipadas e muitos hectares para acampar. Na sequência do furacão, o local ficou totalmente destruído.

depois
antes

Beach Plaza Hotel, Ilha de São Martinho

O átrio deste hotel de quatro estrelas mostra como foi poderoso o furacão Irma.

depois
antes

Honky Tonk Bar, Ilha de São Martinho

Antes do furacão, este bar junto à praia era o local ideal para beber um copo entre mergulhos. Infelizmente, ficou completamente destruído.

depois
antes

Hôtel Mercure Saint Martin Marina & Spa, Ilha de São Martinho

O hotel de quatro estrelas tinha amplas zonas verdes que foram devastadas na sequência do furacão.

depois
antes

Aeroporto Internacional Princesa Juliana, Ilha de São Martinho

O aeroporto conhecido por ter uma pista de aterragem tão pequena que os aviões têm de passar por cima da praia, a apenas dez metros dos banhistas, também ficou destruído depois da passagem do furacão.

depois
antes

Dolphin Discovery Tortola, Ilhas Virgens Britânicas

O parque aquático em Road Town, nas Ilhas Virgens Britânicas, sofreu fortes danos na sequência do furacão. 15 golfinhos tiveram de ser removidos do local.

depois
antes

Aeroporto Internacional de Jardines del Rey, Cuba

Inacreditável os efeitos devastadores do furacão. O Aeroporto Internacional de Jardines del Rey, também conhecido como Aeroporto Internacional de Cayo Coco, ficou assim.

depois
antes
Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo