NiTfm live

Viagens

A nova área “Star Wars” da Disney já tem data de abertura — e vai ser incrível

Atração Rise Of The Resistance é a mais imersiva de sempre. Visitantes vão entrar na luta entre Resistência e Primeira Ordem.
Vai lutar com a Rey.

5 de dezembro de 2019, Walt Disney World Resort em Orlando, na Florida (EUA). Agora já sabe qual o local e a data de abertura daquela que promete ser a atração da saga “Star Wars” mais imersiva de sempre: a Rise of the Resistance. 

A Disney Parks anunciou, no dia 11 de julho, que a nova área do parque dedicada ao incrível universo de George Lucas vai abrir em duas frentes: uma versão no mundo da Disney na Florida, já em dezembro, e outra no parque da Califórnia, a Disneyland. que só recebe a Rise of the Resistance a 17 de janeiro de 2020.

Inverte-se assim a ordem de inauguração entre os dois mega recintos norte-americanos, já que a atração “mãe” desta aventura, a Galaxy’s Edge, abriu primeiro na Califórnia em maio e só chega a Orlando a 29 de agosto.

Datas à parte, o que se pode esperar da próxima fase dos parques dedicados ao sucesso dos filmes? Imensa coisa, garante a empresa. Numa publicação no blogue da Disney Parks, o diretor Thomas Smith, garantiu que esta será “a atração mais imersiva e avançada tecnologicamente jamais imaginada num parque da Disney”. 

Desde junho que os visitantes da Disneyland da Califórnia — milhares de pessoas — podem explorar o mundo do muito antecipado Galaxy’s Edge. No entanto, até agora só abriu a mega atração Smugglers Run, a mesma que tem invadido o Instagram, já que nela qualquer um pode pilotar o Millennium Falcon.

Rise of the Resistance, o segundo passeio de Galaxy’s Edge, vai, adianta o mesmo blogue oficial, “confundir as linhas entre a fantasia e a realidade”. Isto porque “colocará os visitantes no meio de uma batalha climática entre a Primeira Ordem e a Resistência”. 

Na nova atração, o público será recrutado para se juntar a Rey e à General Organa numa base secreta. Ao longo do caminho serão capturados por um Star Destroyer. Com a ajuda de alguns heróis da Resistência, saem e devem escapar do Star Destroyer, proteger a base secreta e ainda salvar a galáxia do vilão Kylo Ren.

Os atores dos últimos episódios da saga, Daisy Ridley, Adam Driver, Oscar Isaac e John Boyega recriaram os seus papéis para novas imagens reais incluídas como parte do passeio, que mostra ainda pilotos a voarem da superfície do Galaxy’s Edge em Batuu.

Foi no início do ano passado que a Disney transformou o sonho de milhões de pessoas em realidade, ao anunciar a abertura de dois parques temáticos de “Star Wars”, um na Disneyland Resort na Califórnia e o outro no Walt Disney World Resort, em Orlando.

Este último, ligeiramente mais pequeno, tem abertura marcada para agosto deste ano e o maior, o Star Wars Galaxy’s Edge na Califórnia, foi inaugurado a 29 de maio, abrindo dois dias depois ao público, em soft opening.

Nos parques, quando todas as áreas estiverem abertas, vai poder fazer uma missão aos comandos da nave de Han Solo, Millennium Falcon, batalhas com os resistentes, lutar contra o Império do Mal para salvar a galáxia, explorar o planeta Batuu ou embarcar num Star Destroyer. Vai conseguir construir os seus próprios dróides e sabres de luz, conhecer alienígenas e tirar fotografias com as personagens principais da saga, de Han Solo a BB-8, de Chewbacca a Kylo Ren. Para recuperar, há uma cantina onde os visitantes podem pedir Leite Azul, a bebida favorita de Luke Skywalker.

Esta é também a primeira cantina da Disney onde há bebidas com álcool e a comida é toda inspirada nos filmes: de snacks de pipocas a salsichas grelhadas com chucrute endoriana frita para almoço.

A estética é toda meio desértica, áspera e em tons terra, como nos filmes. A ideia é estar mesmo numa colónia do Planeta Batuu, onde pode conhecer o Black Spire Outpost — um dos maiores postos avançados de “Star Wars”. Na saga, o local era uma rota comercial.

Neste Black Spire os fãs passam o dia entre criaturas do planeta e a tirar fotos com as personagens mais populares de sempre, como Luke Skywalker, Princesa Leia, Han Solo e Darth Vader.

É ainda a primeira vez que o público pode usar uma aplicação para interagir com um parque da Disney. Aqui, o que cada pessoa fizer numa atração pode afetar o modo como é recebida na próxima. No total, são 28 hectares de divertimentos espalhados pelos dois estados, Orlando e Califórnia. Demoraram cinco anos e custaram quase mil milhões de euros a erguer: para nascerem verdadeiros parques dentro de parques, novos mundos dentro do gigante mundo que já era cada resort.

Os bilhetes para ver o mundo “Star Wars” estão incluídos na entrada principal, onde os acessos diários rondam os 90€. No entanto, há diversões pagas, como a construção de sabres e dróides, que custam cerca de 80€.

Sobre a abertura faseada das atrações — ou o facto de a Rise of the Resistance só ser inaugurada vários meses depois dos parques, a empresa garante que está “a empurrar as fronteiras da inovação e da tecnologia com essas atrações exclusivas e não abriremos uma atração até que ela exceda nossas expectativas. Também sabemos o nível de excelência que os nossos clientes esperam da Disney e levamos isso muito a sério”, conclui.

Para ir a Orlando em dezembro, os voos ida e volta de Lisboa rondam os 470€ por pessoa. Para dormir, pode ficar num dos vários hotéis do parque, com pacotes integrados.

O próximo filme da saga, “Star Wars: A Ascensão de Skywalker“, chega aos cinemas portugueses a 19 de dezembro de 2019.