viagens

Ibiza vai banir Airbnb até ao verão

No ano passado, houve habitantes locais a dormir em carros. Este ano, não há casas particulares para ninguém e as multas chegam aos 400 mil euros.

Se está pensar marcar férias em Ibiza e planeia ficar alojado num Airbnb, fique a saber que a partir deste verão não terá essa opção. Foi aprovada uma lei, que entrará em vigor antes da época alta começar, que impossibilita o aluguer de quartos em casas ou apartamentos particulares a turistas, no município de Ibiza. O objetivo? Proteger os cidadãos e trabalhadores locais.

Segundos vários media espanhóis, a lei, que já tinha sido aprovada no ano passado pelo município de Santa Eulària des Riu, foi agora ratificada pela Cidade de Ibiza, capital e principal foco de turismo, o que muda todo o panorama da ilha. A medida deverá afetar fortemente as empresas de aluguer de casas a turistas, já que impossibilita aos visitantes a reserva de “quartos em casas, blocos de apartamentos ou casas geminadas”. A única acomodação disponível passa a ser mesmo em hotéis e outros imóveis, com licenças específicas e já atribuídas.

O governo local pretende que a lei já esteja em vigor no início da época alta de 2018 e isto porque, dizem os responsáveis municipais da Cidade de Ibiza, todos os anos, a partir de maio, a região transformava-se numa “selva imobiliária.

“Somos um pequeno município com uma densidade populacional grande”, afirmou a conselheira da cidade de Ibiza, Elena López Bonet, ao jornal El Confidential. “A habitação é para residentes, não para turistas”.

A responsável acrescentou que no verão de 2017 criou-se uma situação insustentável “que não se pode repetir”: é que, devido ao volume de casas e quartos alugados para turistas, milhares de trabalhadores sazonais, como empregados de bares e restaurantes, professores ou pessoal do setor turístico, viram-se obrigados a dormir em quartos sobrelotados e caríssimos, ou em alguns casos, nos seus próprios carros.

A nova lei atribui penalizações por incumprimento que chegam aos 400 mil euros para empresas que ofereçam alojamento local e 40 mil euros a particulares que o façam. No entanto, segundo os jornais espanhóis, no ano passado houve quem não respeitasse a lei mesmo nos municípios aderentes, algo que este ano se pretende mudar.

A Airbnb já reagiu, com um comunicado onde diz que ainda espera trabalhar com os funcionários em Ibiza na definição de regras de “senso comum”. “A Airbnb representa menos de 5% dos visitantes de Ibiza e aumenta a economia das Baleares em mais de meio bilhão de euros, dinheiro que normalmente permanece com famílias e negócios locais”, afirmou.