Viagens

Dois portugueses vão fazer 16 mil quilómetros de mota

Arnaldo Guedes e Gonçalo Franco vão viajar durante aproximadamente três semanas, conhecer 21 países e levar ginja de Óbidos para promover Portugal.

Arnaldo Guedes e Gonçalo Franco querem fazer 750 quilómetros por dia

A 1 de julho, Arnaldo Guedes e Gonçalo Franco vão partir do Padrão dos Descobrimentos, em Lisboa, de mota. Cada uma tem três malas: uma com roupa, outra com o equipamento eletrónico e outra ainda com o material de campismo. Durante aproximadamente três semanas, vão visitar 21 países, fazer uma média de 750 quilómetros por dia e chegar a lugares tão distintos como a Polónia ou o Cabo Norte, o ponto mais setentrional da Europa. No total, vão ser 16 mil quilómetros sentados numa mota. Pois, são mesmo muitos quilómetros. 

“Eu e o Gonçalo conhecemo-nos no mundo das motas”, conta à NiT Arnaldo Guedes, 36 anos — vai fazer 37 durante a viagem, mais precisamente a 21 de julho, quando estiverem em Varsóvia. “Sou uma pessoa que tem muitos projetos desenhados na cabeça, com datas específicas. Este já tinha pensado há um ano, um ano e meio.”

O mês estava marcado: julho de 2017. Com um entusiasmo que lhe é muito próprio — basta falar cinco minutos com Arnaldo para ficar tão empolgado com esta viagem como ele —, o editor de vídeo na produtora I’M in Motion, que tem o programa “Imagens de Marca”, entre outros, começou a contar a viagem que ia fazer aos amigos.

“Comecei a partilhar com as pessoas: ‘Olhem, vou fazer esta viagem em julho do próximo ano’. O Gonçalo ficou curioso e perguntou-me: ‘Mas vais mesmo?’. Eu respondi ‘sim, sim, vou’.”

O entusiasmo de Arnaldo contagiou Gonçalo. Tanto que o gestor de redes da Nokia começou logo a pensar como é que poderia juntar-se a esta viagem. “Falou com a mulher, tentou perceber como é que conseguia ter um mês de férias, e tudo se encaixou.”

O amor pelas viagens loucas fez com que cada um deles criasse um blogue há uns anos — Arnaldo tinha um chamado Em Autonomia, Gonçalo outro denominado Atrás do Sol Posto. No início deste ano, já decididos a fazer esta “loucura” juntos, uniram os dois e lançaram o portal As Viagens. No final da viagem eles prometem contar tudo por lá, até chegarem pode contar com muitos diretos, fotografias e pequenos vídeos publicados no Facebook.

Arnaldo Guedes tem um background de “aventuras malucas”. “Quando as pessoas dizem que não é possível, é exatamente isso que eu quero fazer”. Tudo começou em agosto de 2003 com uma viagem de canoa pelo rio Zêzere, depois decidiu percorrer os 2.200 quilómetros que separam Dublin e Portugal de bicicleta. A viagem durou 22 dias. Passado algum tempo comprou uma autocaravana e fez duas road trips pela Europa — foram oito mil quilómetros em cada uma delas, num total de 12 países visitados.

Gonçalo Franco é apaixonado por motas — embora também goste de bicicletas. A viagem mais “maluca” que fez foi na Tailândia, onde andou durante três semanas a percorrer o país todo numa mota. Com mais ou menos doses de loucura, esta promete ser, para os dois, a aventura de uma vida. E não vão parar — até porque não têm tempo para isso.

“A ideia é chegar a uma cidade às 18, 19 horas, visitar a cidade durante a noite, arranjar um sítio para dormir, de manhã voltar a ver o que há para ver e às 11, 12 horas arrancar outra vez. A meio do caminho cruzamo-nos com outra cidade, visitamo-la durante duas ou três horas e arrancamos para outra.”

O mapa da viagem que os dois portugueses vão fazer.

Arnaldo justifica porque é que querem fazer uma viagem assim: “Agora nós só queremos conhecer. Depois lá mais para a frente podemos ir duas semanas para Roma ou três para a República Checa. Agora, só queremos visitar rapidamente o maior número de cidades possível.”

E onde é que esperam viver as maiores provações? “A Rússia vai ser um grande desafio. Já ouvimos várias histórias de pessoas que tiveram problemas na fronteira, nomeadamente com tentativas de extorquir dinheiro. Acampar também não vai ser fácil, quase ninguém fala inglês.”

E tantas outras aventuras que os esperam. Durante esta viagem, também vão aventurar-se numa subida que chegará aos três mil metros de altitude na estrada não pavimentada mais alta da Europa.

“É uma estrada que não tem manutenção nenhuma, é só terra, e as motas vão muito pesadas. A juntar a tudo isto, a neve só derrete no final de julho, por isso pode acontecer a estrada estar completamente coberta de neve.”

Arnaldo Guedes e Gonçalo Franco vão viajar em duas Yamaha Super Tenere.

Mas eles vão preparados para tudo. A ideia é não gastar muito dinheiro, por isso vão acampar sempre que for possível e usar a plataforma de couchsurfing. E porque vão sair de Lisboa com 30 graus mas chegarão aos negativos em alguns pontos da viagem, levam dois sacos-cama — um que aguenta 15 graus e outro cinco. Quando foi o caos da temperatura, dormem debaixo dos dois. 

“Também vamos levar colchão, tenda, fogão, gás, comida que vai dar para aproximadamente dez dias. E todo o material de filmagem, claro: câmara de filmar, um drone.”

E ginja. A Ginja de Óbidos – Vila das Rainhas é um dos patrocinadores desta viagem, por isso em cada paragem Arnaldo e Gonçalo vão dar a provar a bela da ginja a um estrangeiro. Além desta marca, a BP Portugal também se associou à viagem. Contam ainda com capacetes e roupa técnica made in Portugal, pelas mãos da NEXX Helmets e da Impetus. E no final da viagem vão produzir um documentário que será disponibilizado em formato de série de oito episódios, em multiplataforma, e apoiado pela I’M in Motion.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo