NiTfm live

viagens

A história do casal que visitou 37 países de autocaravana

Ana Rita e Miguel têm 23 e 24 anos, e durante mais de meio ano andaram a viajar pela Europa. Quando voltaram a Portugal tinham apenas 8 euros.

Ana Rita e Miguel em Bourg, França

A noite de 12 para 13 de novembro de 2016 foi a última em que Ana Rita Vasconcelos e Miguel Lisboa passaram em Portugal, mais concretamente em Massamá, onde cresceram. Com 24 e 23 anos, respetivamente, o casal resolveu partir para uma viagem pela Europa, mas não foram de avião. 

“Optámos pela autocaravana porque era tudo o que precisávamos, um carro para nos deslocarmos e uma casa, onde podíamos fazer refeições e não gastar dinheiro em alimentação e onde podíamos dormir e não gastar dinheiro em alojamento”, contam à NiT.

Durante dois anos, o casal esteve a trabalhar para juntar dinheiro para a grande aventura. Entregaram pizzas, distribuíram cromos à porta de escolas em ações promocionais, trabalharam em carrinhas de street food e em call centers. A certa altura, Miguel teve dois trabalhos ao mesmo tempo, mas, no final, tudo valeu a pena.

Saíram de Portugal e em 263 dias percorreram 27 mil quilómetros. Conseguiram conhecer conhecer 37 dos 51 países que existem no continente europeu, tudo em nove meses, e com dez mil euros na carteira.

“Tentámos comunicar com uns senhores ucranianos através do Google Tradutor, e eles tinham de mudar o teclado porque até a escrita é diferente”

“Tivemos que fazer logo um apanhado do dinheiro que precisávamos, gastámos cerca de dez mil euros com a caravana, que comprámos online, e partimos com os outros dez mil”, recorda Ana Rita. “Ao longo da viagem, não podíamos comprar tudo o que queríamos, tivemos de ser muito controlados.”

Não participaram em grandes aventuras e procuravam sempre a melhor relação qualidade-preço nos supermercados. Além disso, só dormiram duas vezes fora da sua “casinha sobre rodas”, como lhe chamam.

“Uma vez, em Cracóvia, tivemos um problema mecânico com a carrinha, o que nos obrigou a ficar 10 dias sem ela”, recorda o casal. “Depois, quando quisemos visitar a ilha de Zakynthos, na Grécia, ficava mais caro viajar com a caravana de ferry, por isso optámos por deixá-la no porto e passamos mais duas noites num hotel.”