Turismos Rurais e Hotéis

Será que a Airbnb é segura? Estudo analisa 1.021 histórias de terror

Asher e Lyric Fergusson descobriram que há várias lacunas e fraudes perigosas que não estão a ser controladas pela plataforma.

As coisas podem não correr bem.

Em setembro do ano passado, Asher e Lyric Fergusson passaram por duas situações dramáticas com a Airbnb, que terminaram com o casal e o filho de dez meses nas ruas de Paris. Quando chegaram a casa, os autores do blogue de viagens Asher & Lyric não conseguiam deixar de perguntar-se: será que a Airbnb é mesmo segura?

Foi isso que os levou a analisar mais de mil histórias de terror da plataforma de arrendamento de casas. Em notícias, sites, blogues, eles descobriram que existem de facto lacunas no serviço e fraudes que se podem tornar perigosas para os viajantes. Pode ler o artigo completo no blogue

Violação e assassinato, câmaras escondidas e um bordel secreto: as histórias de terror

A 29 de outubro, o jornal australiano “The Age” relatou o caso de Ramis Jonuzi​, um australiano que foi violado e assassinado quando tentava abandonar uma casa que tinha arrendado em Brighton East através da Airbnb. O homem de 36 anos contou que ia sair porque não estava a gostar da “energia” do lugar, mas não chegou a passar da porta. Craig Levy, Ryan Smart e Jason Colton, os companheiros da casa, foram acusados formalmente pelos crimes de violação e assassinato. 

Derek Starnes e a mulher também passaram por uma situação assustadora — que felizmente teve um desfecho menos dramático. O casal de norte-americanos arrendou uma casa através da Airbnb durante umas férias na Flórida, e descobriu ao segundo dia que o quarto tinha câmaras de filmar. O anfitrião da casa, Wayne Natt, foi preso e acusado do crime de voyeurismo. “Eu e a minha mulher estamos muito abalados com esta situação. Esperamos que mais vítimas se cheguem à frente”, contou Starnes ao jornal “Huffington Post”, num artigo publicado a 10 de novembro.

Em setembro de 2016, o “New York Post” também relatou mais uma história de terror. Desta vez a vítima foi Axel Brorson, um sueco que se mudou para Queens para estudar medicina. O jovem de 26 anos arrendou um quarto por 1.270,65€, mas pouco tempo depois que o T5 onde estava a viver era na realidade um bordel. Brorson contou que viu um casal a ser levado pelo empregado da limpeza para um quarto ao lado do seu, numa altura em que o hóspede dessa habitação não estava em casa. “Ouvi barulhos”, contou. “Gemidos”.

Casos isolados? Asher e Lyric Fergusson dizem que não

“Os representantes da Airbnb costumam dizer coisas como: ‘Estamos indignados com o que aconteceu; assim que fomos informados, banimos permanentemente este anfitrião. Isto não passa de uma grande treta.”

Segundo Asher e Lyric Fergusson, colocar uma casa para arrendar na Airbnb é tão simples que, se um anfitrião for banido, basta criar uma nova conta com um nome diferente. “Eles até podem usar as mesmas fotos do anúncio anterior.”

Foi exatamente isso que aconteceu a Asher Fergusson. Depois de ser enganado por um anfitrião fraudulento, o australiano descobriu que este continua a arrendar a mesma casa. Ele explica tudo em vídeo.

O que é preciso para se tornar num anfitrião da Airbnb? Não muito. Na verdade, basta um endereço de email e um número de telefone. Segundo Asher e Lyric Fergusson, a plataforma não exige nomes de reais ou fotos de perfil, e o processo de registo não demora mais do que dez minutos.

tags: airbnb, perigos
Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo