NiTfm live

Turismos Rurais e Hotéis

Quarto de Airbnb em Brooklyn afinal era uma despensa — e o vídeo já é viral

Turista inglesa pagou 25€ por uma espécie de armário com um colchão sujo, num vão de escada. E que tinha críticas positivas.
Tudo aconteceu numa visita a Brooklyn.

Com os alojamentos locais a ganhar terreno como uma das opções favoritas de estadia para milhões de viajantes em todo o mundo, há um pouco de tudo a acontecer: às vezes as coisas correm lindamente, um sonho em modo pechincha; outras é simplesmente o esperado e há ainda situações em que tudo corre terrivelmente mal. Mesmo com todas as ferramentas que plataformas como o Airbnb têm para impedir abusos e manter a quase garantia de experiências decentes pelo valor — a NiT já lhe explicou todas essas medidas e o que deve fazer em caso de incumprimento por parte do seu anfitrião — o pior pode surgir, e um alojamento revelar-se uma verdadeira piada de mau gosto. 

Foi o que aconteceu em Brooklyn, Nova Iorque, com uma turista inglesa, no passado mês de agosto. A experiência foi tão má, por motivos tão óbvios, que um simples post da jovem britânica a relatar o caso se tornou epicamente viral: quase dois milhões de visualizações no Twitter, em poucos dias. A história parece má demais para ser verdade: no entanto, garante a rapariga, os media locais e a listagem na plataforma, é mesmo real. E até tem um twist: o fato de o alojamento em questão surgir com críticas de 4,29 numa escala de 0 a 5, na plataforma. 

A jovem viajante Zoe Reeve, de 26 anos, postou as imagens no Twitter com a legenda: “Vejam o meu quarto do Airbnb em Brooklyn”, no passado dia 29 de agosto.

Num pequeno vídeo, mostra depois o pequeno espaço, uma espécie de armário ou despensa num vão de escada, com um colchão de campismo insuflável, um edredão e uma almofada.

Segundo o britânico “The Independent“, dado o sucesso rápido do video inicial, a também bloguer de viagens foi atualizando a sua conta com stories e informações, relatando mais tarde que o espaço não tinha tomada; e que, após breve análise verificou que a roupa de cama parecia suja e o colchão era fino e frio. 

Em resposta a quem lhe perguntava se não tinha verificado primeiro as fotos do espaço na plataforma de alojamento local, Zoe explicou que sim, que tinha visto as fotos e estava à espera de uma pequena sala até em género de armário, mas não tão “ridiculamente pequena” e suja. Sempre com espírito desportivo, foi explicando aos comentadores que não havia drama, que estava tudo bem, e que não estava à espera de nenhum luxo por cerca de 25€ por noite, apenas a relatar algo que lhe parecia excessivo, em termos de conforto e limpeza.

No entanto, os comentadores não perdoaram e compararam o espaço ao mais óbvio: ao local onde Harry Potter dormia em casa dos seus tios; em alguns casos, até o compararam a um “caixão”.

Mais tarde, aos meios britânicos, a jovem explicou que estava em Nova Iorque de férias, para o desfile do dia do Trabalhador, uma mega parada em jeito de Carnaval e que achou graça à raiva das pessoas face ao relatado. No seu Twitter, chegou a atualizar que, depois de uma conversa com o anfitrião, descobriu que ele normalmente faz a limpeza adequadamente, mas estava fora da cidade e a pessoa a quem ele pediu para limpar e arranjar o espaço não o fez.

A história só é mais estranha porque a listagem, sob o nome de “Espaço Económico em Brooklyin para a sua aventura em Nova Iorque”, que continua disponível online, tem críticas maioritariamente positivas.

Apesar de uma outra pessoa, que não Zoe, relatar recentemente a sua surpresa pelo espaço encontrado, referindo que “não sabia que o Airbnb agora alugava colchões de ioga”, muitos elogiam a sala de estar partilhada, a simpatia do anfitrião e referem que, pelo valor e para dormir uma noite, não está mal.

Nas fotos e descrições, percebe-se que ao alugar tem, além do colchão, também acesso a uma sala e a uma casa de banho partilhadas, mas de facto pelas fotos nunca se percebe a real dimensão do local de pernoita.

Quanto a Zoe, acabou por não ter de dormir no alojamento, encontrando solução com um conhecido, que lhe emprestou o sofá.