NiTfm live

Turismos Rurais e Hotéis

O paraíso alentejano tem piscina interior e é perfeito para ir com os miúdos

Uma repórter da NiT passou duas noites no M’AR de AR Aqueduto, em Évora, e já tem vontade de repetir.
Vista para o Aqueduto da Prata.
94

Não gosto de discordar de Rui Veloso. Afinal, ele ensinou-me que a primavera da vida é bonita de viver e que posso ir a qualquer hora que ele estará lá para me ouvir. Enganou-me, contudo, quando escreveu com Carlos Tê, “As Regras da Sensatez”, e começou a canção a dizer “nunca voltes ao lugar onde já foste feliz”.

A razão é simples: sempre que me despeço de Évora e estou ali em Montemor-o-Novo, em direção à bonita vila onde vivo, já vou com vontade de marcar outro fim de semana nesta cidade onde cada rua conta uma história e se come a melhor sopa de cação do mundo.

Por isso, caro Rui, guardei o teu conselho no bolso e fiz as malas para, mais uma vez, ir passar duas noites a um dos lugares mais bonitos que o Alentejo tem para oferecer. O final de tarde estava chuvoso, mas isso pouco importava. A ideia era passarmos o fim de semana tranquilos a aproveitar tudo aquilo que o M’AR de AR Aqueduto, em pleno centro histórico, tem para oferecer.

Da pesquisa que tínhamos feito havia três conceitos-chave que estava desejosa de explorar neste hotel de cinco estrelas: uma nova piscina interior; tomar o pequeno-almoço num claustro com centenas de anos e fazer uma massagem relaxante. Saí de lá revigorada — mas vamos aos pormenores.

Os quartos

Antes de falar neles é preciso referir uma coisa: basta percorrermos alguns corredores deste hotel para automaticamente sentirmo-nos noutro século — em bom. O M’AR de AR Aqueduto ocupa uma parte do antigo Palácio dos Sepúlveda e aqui tudo foi pensado ao pormenor para não descuidar em nada a traça antiga.

Ficámos num quarto tal e qual como aquele dos meus sonhos: com uma casa de banho XL, que inclui banheira de imersão e duche separado. Existe um vidro enorme que divide esta zona da cama, que pode ser tapado com uma cortina sempre que desejarmos. Destaque ainda para as almofadas grandes e confortáveis e a temperatura: nem demasiado quente, nem fria — a ideal, portanto.

Um quarto clássico com varanda.

O pequeno-almoço

Para mim, num hotel, mais importante do que um quarto espaçoso é um bom pequeno-almoço. Aliás, nenhuma unidade hoteleira devia ter o selo de cinco estrelas se a primeira refeição do dia não fosse incrível. Esse incrível tem de incluir: muitas variedades de pão e, por favor, queijos; salmão fumado; uma boa montra de bolos; sumos naturais que não saibam a pacote; e ovos mexidos aveludados, que não sejam feitos de pó. É isso que encontra neste hotel, com um bónus: toma o pequeno-almoço num claustro.

A piscina interior

Inaugurada em setembro do ano passado, a piscina interior é o novo ex-libris do hotel. Fica no spa de 250 metros quadrados, que também tem jacuzzi, sauna e ginásio. A água está como promete — quente —, por isso é o parque de diversões perfeito para os miúdos nesta altura do ano — que evitam uma constipação.

A piscina interior.

A massagem

Não é, mesmo, todos os dias que se recebe uma massagem relaxante ao corpo todo durante 50 minutos (80€), por isso estive sempre a pensar o quanto gostava que o tempo parasse. A sessão inclui uma parte de relaxamento com toalhas quentes que apetece pedir bis. A carta do spa é vasta e tem também sugestões como: massagem vichy (60€/45 minutos); esfoliação intensa (55€/30 minutos); tratamento de corpo desintoxicante e tonificante (55€/30 minutos); ou drenagem linfática manual (100€/75 minutos).

A sala de massagens.

O atendimento

Muitas vezes nos hotéis de cinco estrelas, o atendimento peca por ser simpático de mais. Os funcionários querem agradar, têm receio que algo não esteja a correr bem e não nos deixam estar descansados. No M’AR de AR Aqueduto, felizmente, não é isso que acontece. Existe a preocupação de bater à porta no final do dia para abrir a cama e de perguntar se precisamos de alguma coisa quando passamos na receção, mas deixam-nos curtir toda a zona à vontade.  

Os restaurantes

Tivemos oportunidade de jantar no Degust’AR, o restaurante do hotel onde também é servido o pequeno-almoço. Embora estivesse num hotel de cinco estrelas onde, à partida, tudo é mais requintado e não estamos à espera de ouvir muito barulho incomodativo, os funcionários foram super tranquilos com a minha pequena peste de 20 meses e muita força de viver. Para também ela se sentir à vontade para brincar trouxeram uma cadeira extra onde puseram a sua boneca — um pormenor que fez a diferença.

Um dos pratos do Degust’AR.

Provámos um menu de degustação que incluiu pratos como: uma entrada de salmão, arroz e ovas; dourada, arroz de camarão e espuma de coentros; e carré de borrego, pistácios, molho de vinho do Porto, puré de ervilha e trilogia de legumes. Tudo isto maioritariamente acompanhado por vinhos de pequenos produtos da região — uma mais valia. O jantar teve a nota de cinco estrelas, com destaque para o prato de carne, o meu favorito. Neste espaço há refeições desde 28€ por pessoa.

No dia seguinte, fomos ainda jantar Sabores do Alentejo, que fica noutro hotel do grupo, umas ruas ao lado, o M’ar De Ar Muralhas. O restaurante fica num salão espaçoso, onde nos foi servido, por exemplo, lombo de bacalhau confitado, migas de couve-flor e pasta de azeitona; peito de pato braseado, molho de citrinos, puré de aipo e crocante de legumes; e crumble de maçã, gelado de baunilha e canela. A sobremesa foi uma excelente maneira de terminar uma refeição apetitosa.

Os preços

No M’AR de AR Aqueduto existem preços a partir dos 122€/noite; já no M’ar De Ar Muralhas começam nos 88€/noite. Destaque ainda para o facto de os hotéis terem estacionamento gratuito. O que faz toda a diferença visto que se encontram dentro das muralhas, em zonas com pouco espaço para veículos.