NiTfm live

Turismos Rurais e Hotéis

Adormecemos a ouvir o mar na Aldeia da Praia — e acordamos noutro mundo

Uma repórter da NiT foi conhecer o novo glamping que nasceu na antiga Colónia de Férias da CP na Praia das Maçãs, em Sintra.
No meio do pinhal.

É um parque de campismo com glamping e hostel, nascido numa antiga colónia de férias na incrível região de Sintra — porém, por mão e pela vontade de uma alemã e de um grupo de empresários locais. E é tudo isso: uma mistura enorme de estilos e culturas, um mundo de férias e de nostalgia, de cheiro a praia e barulho do mar, de espírito de Lisboa e de Sintra. mas também germânico, um pouco hippie e um pouco turístico. Feito de pizzas saudáveis e de tacos biológicos, de noites de música e neblina matinal, de miúdos descalços no parque infantil e de árvores decoradas com grinaldas.

Assim que chegamos à Aldeia da Praia, situada na costa de Sintra entre a praia das Maçãs e a Praia Grande, percebemos porque é que aquele pinhal foi escolhido para ser uma das colónias de férias mais icónicas do País, a dos Caminhos de Ferro Portugueses; percebemos porque é que uma cidadã alemã se apaixonou por aquele sítio; e percebemos porque é que ele está a ser um sucesso, no seu pouco mais de ano de vida.

Já devo ter passado por ali dezenas de vezes desde miúda. Cheguei a passar férias na Praia Grande com os meus pais e um dos seus, e meus recantos favoritos no mundo era (e é) as Azenhas do Mar, ali bem perto. Outra paixão são os restaurantes de cabrito em Nafarros, não tão longe assim.

Sintra era, para mim, um reino encantado quando era miúda. E continua a ser. Dos monumentos aos palácios, das florestas e quase constante neblina matinal às praias, de Lord Byron a J.K. Rowling, Sintra é nostalgia, magia e infância, e conheço-a bem — mas confesso que nunca tinha reparado na Aldeia da Praia até ao dia em que lá entrei, num (nublado) fim de semana do passado mês de julho.

Embora o espaço seja enorme e fique logo junto à estrada (e às praias, que se acedem com relativa facilidade a pé), está meio escondido ou quase camuflado entre o pinhal — também por causa da construção, sobretudo de madeira e onde o ponto fulcral é um antigo reservatório de água (pelo menos assim parece); agora uma cervejaria artesanal, onde se bebe Musa e se degustam cervejas raras.

View this post on Instagram

Pizza and live music for everyone

A post shared by Nick Bunney (@nickbunney2018) on

Tudo começou há poucos anos, quando um grupo de amigos e empresários teve esta ideia quando viu que aquele espaço incrível estava abandonado há tanto tempo. Em pouco tempo percebeu que a lembrança da época em que este era uma colónia de férias ainda estava bem viva na memória dos locais.

O parque de campismo tinha sido uma colónia para crianças, a Antiga Colónia de Férias dos Comboios de Portugal. Construída em 1940 para receber filhos dos funcionários da ferrovia durante as pausas escolares, acabou por ser desativada em 2004 e foi posta à venda. Enquanto ninguém investia, foi ficando abandonada.

Quando um grupo de empreendedores se uniu para reativá-lo em modo glamping, nasceu a Aldeia da Praia. Para dar vida ao projeto e transformar o local num ponto de encontro da comunidade, foram pensadas as diversas áreas e serviços que hoje ali existem: incluindo um centro de meditação e ioga, o Santa Maresia, supermercado de produtos locais, a garrafeira Invino e a cervejaria artesanal Hops and Drops, além de um playground e espaços de aluguer para eventos e festas. E uma gelaria artesanal e casa de panquecas, abertas este ano mesmo à entrada do espaço.

O objetivo foi criar uma aldeia, um pólo de serviços, cultura e entretenimento, que mantivesse o espírito de comunidade da antiga colónia e o respeito à natureza, possibilitasse encontros e movimentasse a economia local. Foram pensadas opções de serviços e atividades para todas as idades e estilos. Com surf, ioga, comida, música, supermercado, pores do sol, voleibol, bebida, praia e parque infantil. 

“A ideia foi criar um projecto local com variadas possibilidades para manter viva a cultura e diversidade portuguesas”, explicava há poucas semanas à NiT a proprietária e uma das fundadoras, a alemã Luísa Bash.

Foi Luísa que nos convidou a conhecer o espaço e o meu impacto foi imediato. Um caso clássico de “é exatamente o que as fotos pintavam”, porém só vendo ao vivo é que se tem o verdadeiro feeling.

Aliás, tudo ali é feeling; feeling, free spirit, boas energias, good vibes, paragens no tempo, misturas de línguas e de culturas. Não parece que estamos em 2019, na era dos telemóveis e do Instagram, e digo-o como o maior dos elogios. Um grupo de italianos cozinha as deliciosas (e baratas, preços a rondar os 10€) pizzas veggie do Souldough´s, que atrai pessoas de toda a região — e os seus filhos andam por lá. Um espanhol ajuda a manter o espaço limpo logo de manhã, antes de se dirigir à Praia das Maçãs para a sua surfada matinal — descalço, o caminho todo.

O parque infantil é de areia e os miúdos podem por lá andar até anoitecer, ou já de noite inclusive. E no triângulo central que se forma junto ao tal reservatório que agora é cervejaria, onde além da pizzaria encontra a garrafeira Invino, uma hamburgaria bio e a comida meio tailandesa e meio vegetariana da Shani´s Kitchen, é onde se passam as noites — muitas vezes (aos sábados), a ouvir música, outras só a comer e beber, com as crianças por ali, nos passadiços de madeira.

As árvores acendem-se com grinaldas e o ambiente é perfeito, não há outra maneira de o pôr.

Quanto às dormidas, quando o espaço abriu em 2018 começou primeiro a funcionar como glamping, apenas aberto nos meses mais quentes. O projeto foi pensado para valorizar o contacto com a natureza, o uso de materiais ecológicos, a busca por tranquilidade, encontros e vida saudável. 

Este ano, começou a ser progressivamente aberto um Surf Hostel, construído nas antigas casas da colónia de férias. Ali pode reservar quartos duplos (a partir dos 65€) e quartos com beliches (a partir de 20€).

No glamping, pode escolher tendas com casa de banho privativa ou partilhada mas das duas maneiras encontra barracas de algodão 100 por cento ecológicas com camas de casal aconchegantes, incluindo as capas nórdicas. O pequeno almoço está incluído e é servido no café do supermercado, com sumos naturais e tostas divinas.

Eu fiquei com o meu marido e miúdos numa tenda teepee familiar do glamping e não tenho razões de queixa: é espaçosa, limpa, bonita por dentro e por fora e os miúdos simplesmente adoraram. Tem um deck de madeira sobre o pinhal à frente, espaço e privacidade, e é uma maneira de acampar sem o fazer, com mais conforto e com camas “a sério”.

Agora, não se esqueça: é uma tenda, por isso é claro que acordamos com luz e com algum calor — nada que não se resolva com vendas para os olhos e deixar as portinholas de rede abertas, mas convém ir preparado.

Para quem não gosta de todo de acampar, mesmo em modo glamping, pode sempre escolher o hostel para dormir, vale a pena a experiência de conhecer o espaço.

Os preços nas tendas começam nos 65€ por noite, mas há vários pacotes de fim de semana disponíveis no mês de junho: o Pack “Sintra Alive” contempla duas noites em Glamping Ensuite, pequeno-almoço saudável (açaí bowl ou pancakes de aveia e fruta), aula de ioga de manhã e aula de surf à tarde. Pacote para duas pessoas: 199€.

O Pack “Sintra See Breeze” é de uma noite em glamping com casa de banho privativa, pequeno-almoço saudável (açaí bowl ou pancakes de aveia e fruta) e aula de ioga. Para duas pessoas custa 99€.

Seja em pacote de casa de banho privativa ou partilhada, não se preocupe: são várias, asseadas e a água dos chuveiros é quente. Mesmo com crianças pequenas, correu tudo lindamente.

Há também uma cozinha comum, espaçosa e onde pode fazer as suas refeições, com churrasco exterior e esplanada com mesas.

Como se isto não bastasse, os promotores ainda realizam atividades para todas as idades e estilos, como retiros de ioga, aulas de surf para adultos e crianças, mercados de artesanato (sempre no último fim de semana do mês) e o mercado das bagageiras (no último domingo do mês).

A pequena aldeia está maravilhosamente localizada na Praia das Maçãs, na linha da costa atlântica de Sintra, a poucos minutos desta praia ou da Praia Grande, numa área entre pinheiros. Tudo isto a uma curta distância de carro de Lisboa.

As reservas podem ser feitas através do Facebook, Instagram, site, pelo email booking@nullaldeiadapraia.pt ou para o 218 058 356.

Carregue na galeria para conhecer melhor este Camping & Glamping na Praia das Maçãs, em Sintra.