NiTfm live

Viagens

Reino Unido emite um alerta para os riscos de viajar para o México

O governo britânico sugere que os seus cidadãos tomem precauções extremas, especialmente se seguirem para certos locais.
A criminalidade é uma das preocupações mais urgentes no México.

Areia branca, água límpida, peixes a nadar e uma paisagem deslumbrante, assim são as praias paradisíacas do México, que fazem delas tão apelativas.

Mas nem tudo é perfeito: as caravanas de migrantes, a época de furacões, o aumento da violência que existe em vários estados e os casos recentes do vírus Zika levaram o governo do Reino Unido a aconselhar os seus cidadãos a evitarem, nos próximos tempos, visitar o país.

Os britânicos devem ter um “cuidado extremo”.

Foi emitido um comunicado por parte do governo inglês sobre casos de violência em várias cidades, ao mesmo tempo em que também se alerta para a possibilidade de explosões por motivos políticos, principalmente nos estados de Guerrero e na Cidade do México. O aviso indica o aumento do índice de violência nos estados de Chihuahua, Sonora, Coahuila, Nuevo León, Sinaloa e Durango.

O governo britânico observou que os destinos turísticos mais visitados são Cancun, Playa del Carmen, Cozumel, Los Cabos, Puerto Vallarta e Nuevo Vallarta e que também aqui, embora menos graves, há níveis de violência e de crime relacionado com drogas.

O site afirma que “o governo mexicano faz esforços para proteger os principais destinos turísticos como Cancun, Playa del Carmen, Cozumel, Los Cabos, Puerto Vallarta e Nuevo Vallarta. No entanto, desde 2017, tem havido uma série de incidentes relatados em tiroteios e outros incidentes de violência nessas áreas, inclusive em locais populares entre os turistas”.

Através do alerta no site, as entidades britânicas acrescentam ainda que o fluxo migrante tem um impacto negativo nas fronteiras, como é o caso da Guatemala e os Estados Unidos, que estão sujeitos a encerramentos periódicos, por motivos de segurança.

Por outro lado, há também a questão dos furacões, que normalmente ocorrem de junho a novembro, e afetam as costas do Pacífico e do Atlântico colocando em risco muitas cidades.

Por último, as autoridades de saúde no Reino Unido classificam o México como tendo alto risco de transmissão do vírus Zika.

No entanto, as autoridades ressalvam que mais de 513,800 cidadãos britânicos visitaram o México em 2016, com a maioria das viagens a ter decorrido sem problemas.