NiTfm live

na cidade

Os oceanos vão ficar mais azuis e verdes por causa do aquecimento global

As alterações climáticas deverão tornar as cores do fitoplâncton mais intensas, avisam os cientistas.
O mundo está a mudar.

A maior parte dos estudos comprovam-no: as mudanças no planeta devido ao aquecimento global são reais, estão a acontecer e têm uma lista quase imensurável de consequências. Umas são mais dramáticas do que as outras. Mas também há aquelas que serão, imagine-se, ilusoriamente mais bonitas.

Segundo um novo estudo da comunidade cientifica, o aumento da temperatura do planeta vai tornar as águas do oceano mais azuis e verdes até ao final deste século.

De acordo com o artigo cientifico publicado na revista “Nature Communications” e citado pelo “The Guardian” esta segunda-feira, 4 de fevereiro, as mudanças de cor poderão acontecer devido aos efeitos da subida de temperaturas no fitoplâncton. Estes são os pequenos organismos aquáticos que convertem a luz solar em energia através da fotossíntese. O mesmo acontecerá com outros organismos marinhos, que também dão cor aos oceanos.

Os cientistas chamam ao fitoplâncton a base da cadeia alimentar marinha e, por isso, estão a seguir com muita atenção estas alterações. E concluem agora que fatores como a temperatura, correntes oceânicas e acidez oceânica afetam o crescimento e os tipos de fitoplâncton na água, bem como os níveis de outras matérias orgânicas coloridas e detritos. E podem vir a afetar a absorção e reflexão da luz na superfície do oceano.

“Da mesma forma que as plantas em terra são verdes, o fitoplâncton também é verde, então a quantidade e os diferentes tipos de fitoplâncton afetam a cor da superfície do oceano”, explicou Anna Hickman, co-autora da pesquisa da escola de ciências do oceano e da terra na Universidade de Southampton, ao jornal britânico.

Os resultados revelam que, se a temperatura da superfície do mar global aumentar em 3° Celcius até 2100, como é expectável se se mantiver o crescimento atual, a cor de mais da metade dos oceanos, incluindo o Atlântico, mudará.

Um dos aspetos mais relevantes deste estudo é que a partir de agora os cientistas vão estar ainda mais atentos à cor dos oceanos, encarando-a como um sinal das transformações que estão a ocorrer.

“Observar apenas a cor do oceano e como isso vai mudar no futuro, monitorizando-o a partir de satélites, vai-nos dar um sinal de alerta precoce de mudanças”, acrescentou a especialista.

No entanto, os cientistas antecipam que as alterações na cor, ainda que observáveis por satélites, poderão não chegar a ser visíveis a olho nu.