NiTfm live

Na cidade

“Financial Times” questiona se o Airbnb está a destruir cidades como Lisboa

O jornal diz que capitais culturais estão mudar por causa destes arrendamentos. E dá vários exemplos, começando por Portugal.
Lisboa em destaque lá fora.

As cidades históricas estão a ser destruídas pelos negócios de arrendamento de curto prazo? O “Financial Times” levanta esta questão na sua mais recente reportagem, onde coloca a situação de Lisboa e de Portugal em destaque. Spoiler alert: a conclusão chegada é dúbia: entre os problemas e a especulação causados ao mercado do arrendamento, e a diversificação de oferta turística e o investimento que representam estas plataformas de alojamento local — inclusive por vezes, na reabilitação — não há uma resposta concreta à pergunta levantada. Apenas uma análise, com Lisboa no centro.

Vamos por partes: num artigo publicado na passada quinta-feira, 5 de setembro, o jornal financeiro explora então a questão dos alojamentos locais, com destaque quase inevitável para a plataforma mais usada, o Airbnb; e tenta descortinar até que ponto as grandes capitais culturais da Europa estão a ser descaracterizadas, ou mudadas, por este fenómeno.

Começando a reportagem precisamente pelo caso de Lisboa, o FT dá o exemplo de Bruno Romão, o “dono de um dos últimos cafés tradicionais de Alfama, o bairro histórico da capital”, diz.

“Todos os outros agora são restaurantes”, explica um dos frequentadores do seu café ao jornal, adiantando que os turistas preferem estes espaços. Por isso, Romão teve que se adaptar e abriu agora um pequeno espaço para refeições numa sala ao lado. Além disso, teve de se mudar de Alfama, onde habitava, por causa dos custos do arrendamento — consegue manter o café mas a casa não.

O jornal cita Luís Mendes, geógrafo da Universidade de Lisboa e membro do conselho da Associação de Inquilinos de Lisboa para explicar que, desde a década de 1980, a população de Alfama encolheu de 20.000 para cerca de mil habitantes. E que mais de 55 por cento dos apartamentos de Alfama são arrendamentos de curto prazo.

Há outros exemplos: Barcelona, em Espanha, Florença, em Itália e Atenas na Grécia, também mudaram com este fenómeno, e todas tiveram de se adaptar e reagiram à sua maneira

Segundo o jornal, o alojamento local foi responsabilizado por elevar os preços dos imóveis e esvaziar as economias em algumas das capitais culturais do mundo, promovendo o turismo acima de tudo. 

Mas, ao mesmo tempo, plataformas como o Airbnb e a HomeAway trouxeram investimentos internacionais significativos para países que, desde 2012, estão a recuperar da crise. Diz o meio que o Airbnb garante ter criado novas oportunidades económicas para milhões de europeus e adicionado cerca de 90 mil milhões de euros à economia global, só no ano passado. Além disso, muitos investidores privados compraram e reformaram propriedades históricas que estavam anteriormente em risco de abandono, para investimento em alojamento local.

Voltando ao exemplo de Portugal para tentar então perceber o impacto do fenómeno, explica-se que aqui o governo demorou a reagir ao que é descrito como uma tempestade perfeita: a crise económica e dos imóveis, a par com o aumento do turismo em Lisboa, tornou a proliferação destas casas inevitável.

O resultado foi a inflação dos arrendamentos e de habitações para venda e a obrigação de muitos a sair de Lisboa. No entanto, as regras estão a mudar: há novas leis, os poderes de decisão sobre o tema passaram para as autarquias e há já limites a ser impostos, nos bairros mais afetados.