NiTfm live

Na cidade

Metro de Lisboa: utentes vão juntar-se para impedir o corte da linha Amarela

Em causa está a criação da linha circular, que iria exigir aos utentes um transbordo desnecessário na estação do Campo Grande.
Será a 24 de outubro.

As alterações na circulação anunciadas em março de 2018 continuam a ser motivo de protestos entre os utentes do Metro de Lisboa. A NiT já tinha noticiado a criação de uma petição contra o fim da atual linha Amarela — que pode passar a terminar em Telheiras — e a criação da linha circular. Agora, está a ser organizada uma nova concentração de protesto contra as mudanças, marcada para as 16 horas de quinta-feira, 24 de outubro, na estação de metro do Campo Grande.

O projeto polémico prevê que a linha verde passe a percorrer grande parte das atuais estações da Amarela, contornando a cidade num círculo que passa também a incluir paragens como a Estrela e Santos. As mudanças não estão a agradar grande parte dos utilizadores do transporte: em causa está a necessidade de muitos dos passageiros terem de fazer um transbordo na estação do Campo Grande, que até agora não era necessário.

É este o projeto.

Os argumentos contra as obras — que rondariam os 210 milhões de euros — passam também pela falta de fiabilidade técnica do projeto. 

Entretanto, em julho deste ano, os deputados da Comissão da Economia, Inovação e Obras Públicas enviaram ao Governo um documento com o título “Recomenda ao Governo um efetivo investimento no Metropolitano de Lisboa e um plano de expansão que sirva verdadeiramente as populações, com a suspensão do projeto de expansão da Linha Circular”, com votos a favor do PSD, BE, CDS-PP e PCP.

As audições foram efetuadas na sequência da entrega na Assembleia da República de uma petição com mais de 31 mil assinaturas, em que a primeira era do presidente da Câmara de Loures, Bernardino Soares. No documento, é expressa a necessidade de se fazerem mais estudos técnicos e económicos para a expansão do metro, sem passar por esta solução.