na cidade

Linha amarela do Metro vai mesmo acabar em Telheiras

A notícia foi confirmada pelo presidente do Metro de Lisboa, Vítor Domingues dos Santos, depois de o autarca de Odivelas se ter mostrado contra esta alteração de expansão no Parlamento. 

Mais polémica.

Parece que a discussão acerca das mudanças na circulação do Metro de Lisboa ainda estão longe de terminar. Esta terça-feira, 13 de março, a supressão da linha amarela voltou a ser tema no Parlamento, sendo que o próprio presidente do metropolitano confirmou o que já tinha sido notícia: a linha amarela vai mesmo passar a ligar Odivelas a Telheiras, e as outras estações passam a ser operadas pela linha verde, que vai ser circular. 

A questão voltou a ser levantada passados dez meses, e já depois de o Bloco de Esquerda ter levado o assunto à Assembleia da República, em maio de 2017. Na altura, o Bloco contou com a opinião de três especialistas, e só um concordou com a ideia do PS.

Desta vez, foi o Presidente da Câmara Municipal de Odivelas, Hugo Martins, que se mostrou contra esta decisão, tendo também afirmado que o Metro lhe assegurou que havia a possibilidade de a linha amarela continuar a funcionar nos moldes atuais, independentemente da existência da nova linha circular. Duas horas depois, Vítor Domingues dos Santos desmentiu esta informação.

“O que se pretende para a linha amarela é que funcione como uma linha radial, terminando em Telheiras”, referiu Domingues dos Santos, citado pelo jornal “Público”, mencionado ainda que este é “o primeiro passo para a criação de uma futura rede de transportes que abarque toda a região de Lisboa.”

Segundo a notícia avançada em 2017, o metro de Lisboa vai ter duas novas estações até 2023, Santos e Estrela, que passam a ligar o Cais do Sodré ao Rato. As obras vão começar em 2019, e espera-se que não durem mais de quatro anos.