NiTfm live

na cidade

Há mais um serviço de trotinetes em Lisboa, já a funcionar: chegou a Voi

Mais uma empresa entra com e-scooters na capital, na mesma semana em que as autoridades começam a fiscalizar — e a multar — quem anda sem capacete.

Mais um serviço de e-scooters na capital.

Primeiro, houve a Lime. Depois, a Bungo. A Mytaxi. E agora, a Voi. A empresa sueca já tem cerca de 200 trotinetes a circular na capital desde segunda-feira, 3 de dezembro.

A startup, que arrancou com um investimento de cerca de 44 milhões de euros para se instalar em várias cidades da Europa, tem na sua base nomes sonantes como Jeff Wilkes (Amazon), Justin Mateen (cofundador do Tinder) e Nicolas Brusson (CEO e cofundador da BlaBlaCar)

Atualmente presente em Madrid, Saragoça e Málaga, na Espanha, chegou a Lisboa esta semana, com o objetivo de diminuir o trânsito e a poluição, assumindo-se como uma “alternativa verde, eficiente, rentável e com zero emissões de CO2”.

Quanto aos preços, são idênticos aos praticados pelas outras operadoras: 1€ pelo desbloqueio e 15 cêntimos por cada minuto. Após instalar a app, os utilizadores da Voi só têm de localizar uma trotinete na rua ou recorrerem ao mapa, clicarem no botão de “viajar”, lerem o QR code e moverem-se para qualquer parte da cidade”, explica a empresa.

A Voi será concorrência direta às empresas já instaladas em Lisboa que, apesar do sucesso, também têm vindo a ser alvo de críticas. O facto de as e-scooters serem deixadas nos passeios da cidade e e a falta de capacetes (que são obrigatórios, segundo o Código da Estrada português) são algumas delas.

Na passada semana, a Lime lançou uma campanha de alerta para a importância do uso do capacete e do respeito das regras de segurança. Esta implica a oferta de mil capacetes a interessados, em Lisboa.

E esta semana, a PSP lançou uma campanha de fiscalização, que pretende precisamente sensibilizar os condutores para o respeito das regras de segurança, como a idade mínima de utilização das e-scooters (18 anos), o uso obrigatório de capacetes ou o uso de vias apropriadas.

Segundo o “DN“, até dia 9, a divisão de trânsito da polícia irá andar em algumas zonas centrais da cidade, como a Avenida da República, a Avenida da Liberdade, a Baixa e o Saldanha, a sensibilizar os utilizadores de trotinetes e bicicletas para a necessidade de cumprir o Código da Estrada e usar capacete. E alguns casos, serão aplicadas coimas.

A Divisão de trânsito lembra que as multas podem chegar aos 300 euros e que a ação será também dirigida às Gira, o sistema de partilha de bicicletas.