NiTfm live

Na cidade

A época de praia está aberta: o calor chegou e até a água está mais quente

Os próximos dias vão ser de temperaturas muito elevadas e o mar tem estado bem apetecível. O IPMA explica porquê.
Chegou o verão.

O calor tardou a chegar, mas veio em força: numa época em que o clima se tem pontuado por extremos, Portugal passou de dias frios e chuvosos para a situação atual — alerta amarelo nesta quarta-feira, 10 de julho, por tempo quente em praticamente todos os distritos do País, à excepção de três: Faro, Bragança e Viseu.

Neste dia, os termómetros vão ter valores extremamente elevados: são 35 graus de temperatura máxima previstos para o distrito de Lisboa, por exemplo. Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera, Setúbal tem 37 previstos de máxima, 36 em Évora e 38 em Santarém. Há 35 graus previstos para Coimbra e Castelo Branco e 31 de máxima no Porto e em Aveiro.

Na quinta-feira, 11, os valores ainda vão subir mais: Lisboa pode chegar aos 38 graus e, em Setúbal, Santarém e Évora, há mesmo 41 graus de máximas previstos. Nos próximos dias, incluindo no fim de semana de 13 e 14 de julho, a situação deverá acalmar, com as temperaturas a baixarem bastante — em alguns casos, dez graus — para valores próximos dos 30 graus na grande generalidade do País. São valores mais simpáticos para praia — além de que quarta e quinta-feira, os raios UV também vão estar em alta e é desaconselhada a exposição solar a crianças.

No fim de semana pode, por isso, planear uma ida ao areal mais próximo e, se a situação do mar se mantiver, até pode ter um bónus: água quente. É que, de acordo com o IPMA, a água tem estado mesmo mais agradável, cerca de dois graus acima do habitual, e há uma explicação.

Citado pelo “Público“, o instituto explica que tal resulta de um fenómeno atmosférico que impede a movimentação habitual das camadas de água no oceano. Segundo o IPMA, uma depressão a oeste da Península Ibérica condiciona o vento na costa ocidental portuguesa e está a impedir a circulação até à superfície, da água fria das zonas mais profundas.

“Entre os dias 1 e 8 de julho, a existência de uma depressão centrada a oeste da Península Ibérica condicionou o regime de vento junto à costa ocidental portuguesa, predominando o vento oeste ou sudoeste, não permitindo que o fenómeno de afloramento costeiro ocorresse”, adianta o instituto. 

Segundo o IPMA, em julho, os valores da temperatura da água do mar à superfície foram da ordem dos 18ºC e superiores a 19°C nos primeiros dias do mês. E, a avaliar pelas previsões disponíveis online, a situação poderá manter-se semelhante, ainda que com valores ligeiramente abaixo nos próximos dias: a água deverá andar entre os 17 e os 19 graus, consoante a zona do território, pelo menos até sexta-feira, dia 12.