NiTfm live

na cidade

Câmara de Lisboa vai entregar casas a mais três mil pessoas ainda este ano

Vários programas municipais estão a tentar "resolver o problema" da falta de habitação na cidade, garante a autarquia.
Autarca promete 800 casas em 2019.

O problema da falta de habitação a preços comportáveis em Lisboa continua longe de resolução, mas a autarquia voltou esta segunda-feira, 8 de abril, a lembrar que está a fazer os possíveis para ajudar: e que isto passa por mais de 800 casas a serem entregues a famílias da capital ainda este ano, beneficiando mais de três mil pessoas na cidade.

No momento em que foram entregues as primeiras 50 casas, o presidente da autarquia, Fernando Medina, relembrou que em 2019 a câmara vai assegurar o direito à habitação a mais de três mil pessoas, ao abrigo dos vários programas do município.

“É um número já com muito significado que, não resolvendo todos os problemas (…), já é um contributo com muito significado para podermos resolver pelo menos [a situação de] cerca de três mil pessoas que antes não tinham acesso à habitação e que vão passar a ter através da política municipal”, acrescentou o autarca à Lusa, citada pelo “Diário de Notícias“.

As primeiras 50 casas agora entregues ficam do Bairro da Boavista, que está a ser requalificado. O realojamento dos habitantes das 510 casas de alvenaria do bairro divide-se em cinco fases, dando no final lugar a quase 500 novas habitações, de T1 a T4.

A primeira fase, que representa um investimento de cerca de cinco milhões de euros, vai realojar 130 pessoas, informou a câmara.

Este novo projeto de arquitetura (“Uma casa que cresce com a família”) está também a ser implementado no Bairro Padre Cruz e no Bairro da Cruz Vermelha. Segundo a câmara, todo o conceito é “sustentável em termos ambientais e pelas qualidades de habitabilidade, pelas características da construção e dos materiais usados, capacidade evolutiva, pela fácil manutenção e cuidado com as acessibilidades, bem como pela eficiência energética, utilizando águas pluviais e a energia solar”.

Ainda segundo o “DN”, a Câmara também já afetou, para este ano, 330 casas de renda apoiada para as famílias com mais necessidades.