NiTfm live

na cidade

Aquaparque do Restelo reabre como parque infantil em outubro

A entrada do antigo parque aquático vai ser transformada numa zona de diversão. Os brinquedos já estão colocados, diz a CML.
Abre este ano.

Depois de anos de promessas feitas e adiadas, chegou a data de conclusão da obra e da abertura: o antigo Aquaparque de Lisboa, no Restelo, vai reabrir como parque infantil em outubro deste ano, anunciou a autarquia.

A data anterior dada como certa para o novo equipamento da Câmara Municipal de Lisboa era março de 2019. Houve de seguida um adiamento para “este verão” e agora vem a confirmação de que o “o Aquaparque está neste momento quase pronto para ser aberto” como parque infantil e que a inauguração é em outubro.

Segundo o vereador José Sá Fernandes, na Assembleia Municipal de Lisboa, os “brinquedos já estão colocados”. De acordo com a Lusa, citada pelo “Observador“, as obras terão um custo total de cerca de 1,3 milhões de euros — acima dos 750 mil euros inicialmente previstos. 

O parque infantil será dividido por quatro faixas etárias, com equipamentos adequados a cada idade — bebés, pré-escolar, escolar e adolescentes—, e terá também uma área ajardinada, uma cafetaria e casas de banho, ficando também apto para a realização de festas de aniversário. Além do edifício principal, vão ser colocadas mesas de matraquilhos, mesas para jogos de tabuleiro e equipamentos de fitness no exterior, protegido por telheiros.

O parque aquático encerrou em 1993 após a morte de duas crianças, ficando ao abandono durante décadas. Chegou a atribuir-se a concessão a uma empresa privada para criar um parque temático, mas o projeto nunca avançou.

Nos últimos anos, a área anteriormente ocupada pelo parque aquático de Monsanto já tinha sido deliberadamente devolvida à natureza. Onde antes estavam os escorregas e túneis de água que fecharam inesperadamente por causa do trágico acidente, hoje existem espaços com plantas e árvores. 

Fonte do gabinete do Ambiente e Estrutura Verde da CML esclareceu à NiT, em abril do ano passado, que, ao contrário do que chegou a ser interpretado, não é a zona total do Aquaparque, nem a antiga área de diversão, que está a ser recuperada. Essa já foi alvo de intervenção: “A área anteriormente ocupada pelas piscinas do Aquaparque foi totalmente naturalizada, todos os elementos construídos foram demolidos e o solo foi devolvido à permeabilidade, modelado, plantado e semeado.” Desde 2018 que está ali um parque infantil exterior, integrado na natureza e acessível ao público.