Back in Town

Antigo restaurante panorâmico de Monsanto vai funcionar como miradouro

A Câmara Municipal de Lisboa está a fazer obras para tornar o espaço mais seguro. O futuro continua incerto.

O espaço tem uma das melhores vistas sobre Lisboa.

Há anos que o antigo restaurante panorâmico de Monsanto, em Lisboa, é visitado por curiosos que querem aproveitar a vista incrível sobre a cidade e espreitar o espaço, abandonado desde 2001. Agora, a Câmara Municipal de Lisboa está a fazer pequenas obras para tornar o espaço mais seguro para quem o visita.

Têm sido feitos trabalhos de limpeza e algumas partes do edifício foram emparedadas. A ideia é que o espaço seja minimamente requalificado para servir como miradouro durante os próximos meses.

“Até ao final do mês, vão ser postos alguns gradeamentos para as pessoas poderem usufruir da extraordinária vista que aquilo tem. Isto poderá acontecer em agosto, com tudo limpo e lavado. Aquilo pode ser um miradouro até termos uma decisão sobre o que fazer lá”, disse na Assembleia Municipal de Lisboa de 11 de julho o vereador de Estrutura Verde José Sá Fernandes.

O destino final do espaço só será decidido no próximo mandato da autarquia, depois das eleições de 1 de outubro.

“A nossa intenção, não neste momento, mas no próximo mandato, se viermos a manter as funções que temos, é, em primeiro lugar, lançar um concurso de ideias sobre qual a utilização e o destino relativamente a um equipamento desta natureza”, disse o presidente da câmara, Fernando Medina, na mesma sessão da assembleia.

O objetivo passa por fazer com que as pessoas participem com ideias ou apresentem projetos concretos para o espaço.

“Não temos ainda projetos concretos para o edifício, nem de uso, muito menos de arquitetura ou de execução”, acrescentou o autarca.

O edifício, propriedade da Câmara Municipal, já foi um restaurante, discoteca, sala para jogar bingo, escritório e um armazém de materiais de construção. Foi construído em 1968 e tem cerca de sete mil metros quadrados. Está localizado no Alto da Serafina, no Parque Florestal de Monsanto.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo