NiTfm live

Na cidade

“A Iberdrola tentou enganar-me para assinar um novo contrato de energia”

Uma equipa de vendedores foi a casa da repórter da NiT para "fazer uma atualização do serviço". Era mentira. Conheça a história na primeira pessoa.
Não assine nada sem ler bem primeiro.

Por volta das 13 horas de quinta-feira, 8 de agosto, recebi uma visita inesperada no meu apartamento em Lisboa. Dois homens e uma mulher, vestidos com roupa normal, bateram à porta e apresentaram-se como funcionários da empresa que fornecia energia à casa. Assim mesmo, sem grandes detalhes. Perguntaram qual era a potência contratada e qual o consumo mensal. Duas perguntas para as quais eu não tinha resposta porque a renda do meu apartamento já inclui estas despesas. 

A minha resposta sincera não terminou a conversa. Pelo contrário. De imediato, um dos homens pegou no telemóvel e ligou para aquilo que me pareceu ser uma central de atendimento enquanto lhes repetia as informações do meu medidor de eletricidade — que está junto da porta de entrada. “Com este consumo então, podemos oferecer um desconto de 12 por cento?” Ok, obrigado.”

Depois de desligar o telemóvel, ainda à porta, pediu-me uma fatura recente para atualizar o serviço. Até esta altura nada me estava a parecer estranho, eu continuava a partir do princípio de que eram os funcionários da empresa que fornecia a eletricidade e que estavam a fazer uma visita de rotina. Porém, a abordagem muito mais agressiva do que o costume levou-me a perguntar-lhes se era obrigatório fornecer aquela informação. 

“Há várias produtoras de energia em Portugal. A Iberdrola vai oferecer energia 100 por cento verde para a sua casa. Não é obrigatório ainda, mas é natural que no futuro todos tenham energias renováveis em casa”, disse um dos colaboradores da empresa espanhola. Pouco depois pediram-me para entrar em minha casa para explicar melhor como iriam funcionar as coisas a partir dali. 

Como não é um tema que eu conheço a fundo, confesso que os deixei entrar no apartamento. Na minha cabeça, a resposta vaga sobre a obrigatoriedade “no futuro” justificava que eu lhes prestasse toda a ajuda. Isso mudou pouco depois.

Assim que chegaram à sala, os três funcionários colocaram vários papéis em cima da mesa e pediram o meu cartão de Cidadão para “atualizar os serviços”. Foi aí que percebi a estratégia para me enganar: aquilo não era uma simples atualização, era mesmo uma mudança de contrato. 

Voltei a repetir com todas as letras que eu não era a dona do apartamento e que não tinha autonomia para fazer um novo contrato de energia. E reforcei a pergunta: “Diga lá, isto é uma atualização feita pela empresa que já presta o serviço aqui em casa ou estou a trocar a produtora de energia? O que é que você quer eu assine exatamente?”

As minhas perguntas tiveram um efeito mágico na equipa da Iberdrola. Os três funcionários limitaram-se a soltar uma simples frase — “é um contrato novo” — enquanto arrumavam as coisas e se dirigiam para a porta. No final, deixaram-me um cartão para o caso de mudar de ideias e seguiram para a porta do vizinho. 

Na altura não levei esta situação demasiado a sério, mas depois percebi que já tinha acontecido o mesmo com outros amigos meus. Pior: fiz uma pesquisa rápida na Internet e encontrei vários casos de consumidores que foram enganados por vendas pouco transparentes ao domicílio.

Contactada pela NiT, a Associação Portuguesa de Defesa do Consumidor explica que existem milhares de queixas sobre este tipo de vendas de contratos de fornecimento de energia e de telecomunicações feitos sem o conhecimento do consumidor. A DECO ressalva a importância de não assinar nada antes de ler bem todas as palavras do contrato. Além disso, no caso de o consumidor ser confrontado com uma situação destas, tem até 14 dias seguidos para reverter o negócio, através de carta registada à empresa com aviso de receção.

A NiT questionou a Iberdrola sobre esta estratégia comercial e a conduta dos colaboradores. Em resposta, a diretora comercial, Carla Costa, diz que a empresa está a crescer no mercado, mas tem as melhores classificações entre os consumidores e nunca pretendeu enganar ninguém.

“Apesar de não trabalharem diretamente connosco, os agentes recebem uma formação dada pela Iberdrola e devem seguir um código de conduta muito rígido. Eles devem usar uma identificação visível, dizer imediatamente que são da nossa empresa e também estão proibidos de entrar na casa dos clientes. No caso relatado, foram infringidas inúmeras regras”, diz Carla Costa.

A diretora comercial também garante que mesmo que o consumidor seja enganado por um agente mal intencionado, o contrato só entra em vigor depois de essa pessoa receber uma ligação — que é efetuada entre 15 a 30 minutos após a visita do funcionário — a confirmar que está ciente de todas as informações relatadas e que quer mesmo mudar de operadora.