NiTfm live

opinião

“Western Stars”, o maravilhoso novo disco de Bruce Springsteen

Esta noite, as estrelas do Oeste vão brilhar outra vez

Que maravilhosa surpresa. Aos 69 anos, numa altura que já poucos esperavam, Bruce Springsteen volta a sacar de um clássico para o seu reportório e cimenta a sua posição como o melhor contador de histórias do último século. O Boss já nos acompanhou na fuga da raízes, já nos levou à orla da cidade e já nos conduziu pelo rio abaixo. Agora, em “Western Stars”, Bruce senta-nos no banco do pendura da sua pick-up e dá-nos boleia rumo ao oeste americano, com mais um set de histórias de vidas mundanas, embrulhadas num álbum rico, polido e cinemático. 

“Western Stars” é o disco mais cinemático da discografia de Bruce Springsteen desde “Nebraska”, de 1982. Mas se a paisagem de “Nebraska” era lúgubre, como um filme de Béla Tarr; as imagens evocadas por “Western Stars” são vibrantes, como um filme de Wes Anderson. Bruce descreveu este álbum como “a jewel box of a record” (“uma caixa de joias de disco”) e eu, que confesso, duvidei do entusiasmo do Boss, hoje digo que não encontro melhor descrição para o seu décimo nono álbum de originais.

Há um pouco de toda a carreira de Bruce em “Western Stars”: ouve-se a América de “The Rising” em “Tucson Train”; as histórias de “Tunnel Of Love” em “Western Stars” e “Moonlight Motel”; a atmosfera de “Devils And Dust” em “Drive Fast (The Stuntman)” e “Somewhere North of Nashville”; a inocência de “E Street Shuffle” em “Sleepy Joe’s Cafe”; a riqueza de “Working On A Dream” em “There Goes My Miracle”, “Sundown” e, na verdade, um pouco por todo o álbum. “Western Stars” é o sucessor natural do cânone sonhador de “Working On A Dream” (2009), o que faz todo o sentido, uma vez que este lote de canções remonta a esta altura.

“Western Stars” foi lançado em 2019, mas a sua génese é antiga e o seu espírito ainda mais remoto. Segundo o que Bruce foi adiantando nas suas entrevistas ao longo dos anos, a ideia de um álbum de histórias do oeste terá nascido antes do ano 2000, por alturas da Reunion Tour com a E Street Band. As gravações terão começado em 2010, depois da Working On A Dream Tour (2009) e das sessões de “The Promise” (2010), tendo o álbum sido sucessivamente posto na gaveta em detrimento de projectos (agora sabemos) inferiores, como “Wrecking Ball” (2012) e “High Hopes” (2014). 

Bruce estava inseguro relativamente à reação do seu público a “Western Stars” e com alguma razão, diga-se. A fanbase de Bruce é muito exigente, espera sempre que Bruce saque de um novo “Born To Run” e nunca fica satisfeito com menos que isso. Mas Bruce já não tem 20 anos e não quer fugir da sua cidade natal (como contou em “Sprinsgteen On Broadway” (2018), agora vive a dez minutos da casa onde nasceu). Por estes dias, ele quer pegar na sua pickup e contar as histórias das vidas perdidas que foi encontrando ao longo dos anos. E quer fazê-lo com a roupagem das canções da pop sul-californiana do início dos anos 70, que despoletaram a sua imaginação quando ele era miúdo. É um álbum arriscado, que rompe com a estética clássica dos seus discos com a E Street Band, mas é ao mesmo tempo um álbum deliciosamente familiar. Bruce faz leves acenos ao seu passado, num álbum firmemente ancorado na eternidade. 

Os arranjos orquestrais são tão quentinhos e aconchegantes que só apetece abraçar a música. Mais que isso, estes arranjos opulentos conferem a “Western Stars” um estatuto de intemporalidade. O álbum foi lançado na sexta, mas após cinco audições, parece que estas canções estiveram sempre aqui. São canções que contam histórias de vida como a minha e a vossa. São canções que, nestes tempos de divisão, chegam para nos juntar. São canções que, nestes tempos pesados, nos visam aliviar. Para todos nós que sentimos o peso do trabalho, das contas e de todos os problemas da vida, este álbum é um bálsamo que nos levanta o peso das costas.

Bruce usa a qualidade cinemática de “Western Stars” para desmistificar o mito cultural moribundo do sonho americano. No epílogo do álbum, o herói, incapaz de satisfazer as exigências do compromissos domésticos e da sociedade (“bills and kids and kids and bills”), entra na sua pickup e faz-se à estrada rumo à escuridão (“where nobody travels and nobody goes”), fechando assim o círculo de “Nebraska”. Ele chama-nos à terra, com as suas histórias de heróis comuns com vidas partidas; e ao mesmo tempo, consegue pôr-nos a olhar para as estrelas

Eu estou tão feliz com este álbum, que só me apetece abraçar o Bruce e assegurá-lo que está tudo bem; dizer-lhe que não há razão para inseguranças e que todos aqueles álbuns que ele tem na gaveta podem vir cá para fora. Depois de “Wrecking Ball” e “High Hopes”, confesso que já temia que ele tivesse perdido a sua musa. Queria muito que este álbum fosse bom. Foi muito melhor do que eu esperava. Obrigado, Bruce.

P.S.: Este é apenas um dos projectos que Bruce Springtseen tem na calha para os próximos tempos. Bruce já revelou que tem pronto um lote de canções para gravar com a E Street Band e para lançar num álbum em 2020. Antes disso, ainda em este ano, a quadra natalícia deverá trazer-nos uma nova mega-caixa com gravações antigas, que vai suceder a “Tracks” de 1998. Este ano é também o 35º aniversário de “Born In The U.S.A.” (1984) e o material que foi gravado nessas sessões é tanto, que vai certamente acontecer uma caixa expansiva do álbum, à semelhança do aconteceu com “Born to Run: 30th Anniversary Edition” (2005), “The Promise: The Darkness on the Edge of Town Story” (2010) e “The Ties That Bind: The River Collection” (2015). Se quiserem ter uma ideia do que ficou para trás nas sessões de “Born In The U.S.A” e do que poderia ser um segundo disco deste álbum, ouçam o podcast do London Calling — Murder Incorporated – O segundo disco de Born In The U.S.A..

tags: