NiTfm live

opinião

Shameless Date: da Dinamarca, com amor

O casal ficou maravilhado com o novíssimo brunch do The Danish Pastry Shop.

O brunch é servido todos os dias.

São loucos um pelo outro e por um bunch como deve ser. O casal shameless visitou a nova pastelaria dinamarquesa e saboreou toda a oferta. Entre o sumo natural e a omelete com cogumelos está um parfait divinal e umas babatinhas saborosas. O melhor de toda esta experiência foi eles terem saído de lá com o bolo de casamento escolhido.

Onde: The Danish Pastry Shop, Valejas, Oeiras

Preço médio para dois: 24€

Performance: 66 (0 a 69)

Ela: O que já descobriram sobre este casal? 1.º — O amor pela comida consegue igualar o que sentem um pelo outro; 2.º — trata-se de um par que não nega fogo; 3.º — Se tivessem que optar por uma refeição para o resto da vida a resposta certa seria: Brunch. O que nos leva ao Shameless Date desta semana, com inspiração Dinamarquesa.

Ele: Fica em Valejas e nasce do talento de dois chefs que se apaixonaram pela cozinha e mais tarde um pelo outro. Bolas! Lá teremos de partilhar o pódio das melhores histórias de casais de sempre. Afinal, se eu arrastei a minha noiva de terras helvéticas, o Chef Filipe encontrou a sua na Dinamarca. E apesar de nunca ter tido o privilégio de cozinhar para a Rihanna ou para a Rainha da Dinamarca, já fiz uns ovos mexidos reais. No sentido em que existiam.

Ela: Por apenas 12€ conseguem ter um brunch que contempla: um sumo natural feito pela casa ou chá, uma sandes dinamarquesa, vegetariana, de salmão fumado pelo casal ou patê de porco, um bolinho divinal, um parfait que pode ser o melhor que já comi até hoje, umas batatinhas fantásticas, uma omelete com cogumelos e ainda uma segunda sandes à escolha. Resumindo, é um BREAKFAST + LUNCH + DINNER + SUPPER. Podemos chamar-lhe qualquer coisa como Brundisu. Acho que vai pegar. 

Ele: Enquanto professor explico aos meus alunos que usar adjetivos a mais é um erro crasso. Tendo isto em conta, perdoem a frase que se segue. Aquelas batatas são super-híper-mega-brutais. (esta frase pode ter um impacto ainda maior se lida com a voz de tia de cascais).

Ela: O conceito foi pensado para trazer uma coisa diferente ao público português. Com sucesso: abriu há menos de um mês e está lotado desde o dia 1. Já não podia ver o mesmo menu em todos os espaços que entramos, sempre com os itens repetidos de um brunch para outro. É como procurar um local para almoçar e todos eles nos oferecerem bitoque. É um clássico, mas não o queremos todos os dias.

Ele: O Filipe Candeia e a Katrine Andersen fazem ainda catering de autor, o que significa que este casal acaba de decidir os pasteleiros que vão confeccionar o seu precioso bolo de casamento. Queremos 50 andares e uma pirâmide invertida, portanto coisinha simples —  como nós (coff coff).

Ela: Além destes menus, aconselhamos uma visita obrigatória à vitrine da pastelaria. Podem encontrar delícias dinamarquesas de chorar por mais. Ou se forem uns totós como uma cliente que entrou quando estávamos prestes a pedir mais um docinho, ficam decepcionados por não existir um pastel de nata. Enfim, haters gonna hate.

Ménage a Trois: O parfait é nosso convidado para este momento mais nasty. Caseiro e com fruta exótica. Como o amor deve ser.

Orgasmos múltiplos: A melhor parte está no facto de se poder pedir o brunch ou Brundisu (patente em espera) a qualquer hora de qualquer dia.  

Turn off: O facto de não existir um menu é um pouco confuso para quem visita este espaço pela primeira vez. Apesar de terem tudo numa parede, achamos que faria sentido ter pelo menos a descrição do Brunch à mesa.