NiTfm live

opiniao

“Pesadelo na Cozinha”: o dia em que Ljubomir encontrou o “orgasmo da comida”

O humorista Miguel Lambertini analisa o episódio especial do reality show da TVI.
Ljubomir adora estes pesadelos.

Tal como no menu de um típico restaurante português, a TVI quis servir este domingo, 2 de fevereiro, um prato especial de “Pesadelo na Cozinha”. A sugestão do chef Ljubomir é uma viagem ao passado para avaliar quatro anos daquele que foi um dos formatos líder da televisão nacional. Os piores serviços de sempre, as personagens mais caricatas, as cozinhas mais nojentas que se poderiam imaginar, todos reunidos num só episódio final, o conteúdo perfeito para ver ao serão depois do jantar.

E se o público já não se lembrava de quais eram os restaurantes onde baratas, aranhas e muita bactéria conspiram para nos dar oferecer uma intoxicação alimentar, a TVI fez o favor de nos relembrar. Como dizia Brendan Behan, não há má publicidade (a não ser o teu próprio obituário). A bem da verdade, alguns dos espaços intervencionados por Ljubomir Stanisic conseguiram reinventar-se e tornaram-se verdadeiros casos de sucesso e também esses foram retratados no último episódio de “Pesadelo na Cozinha”.

Para o chef do restaurante 100 Maneiras, essas são as histórias que justificam o seu trabalho e que lhe deram o verdadeiro prazer ao longos destes últimos anos. “Isto é o sonho da cozinha, não é o pesadelo”, brinca Ljubomir, com visível orgulho.

Para chegar aqui o jugoslavo teve de sofrer e muito, ao ponto de literalmente vomitar, como aconteceu num restaurante que visitou num dos episódios, tal era o estado degradante da cozinha. Ljubomir confessa que o que mais o irrita no mundo são pessoas que não sabem ouvir, que não querem aprender e têm pouca humildade. A mim, o que mais me irrita são pessoas que ficam paradas na passadeira e acenam para nós andarmos com o carro. Mas percebo que deva ser bastante irritante tentar salvar uma pessoa de ir à falência e essa pessoa continuar a achar que não há nada de errado com ela.

Foram muitos os episódios em que isto aconteceu, como o caso do Sr. Leonel, que se apresenta como o “Nicolas Catche, da Marinha Grande”, devido às parecenças físicas com o ator Nicolas Cage. Esta foi uma das personagens que o chef Ljubomir nunca esquecerá porque o enervou tanto ao ponto de dar murros na própria cara, mas há muitas mais. Como, por exemplo, o proprietário do restaurante A Esquina, em Setúbal, que confessou: “Só me apetece é jogar gasolina em cima deles”, ao falar do seu próprio staff — será que foi aqui que surgiu a ideia para fazer o roast ao Ljubomir? Ou como esquecer o clássico Manuel Canela, cujo restaurante O Canela foi encerrado pela ASAE, depois de o programa ter sido emitido. Com a sua voz rouca de Brian Adams de Campolide, o Sr. Canela foi considerado pelo chef Stanisic como o participante mais teimoso de todos, o que é um adjetivo muito simpático atendendo a que este senhor marinava os bifes num alguidar que ficava guardado num buraco imundo, com mais teias de aranha que o pipi de uma octogenária.

Ainda assim, “Pesadelo na Cozinha” também é feito de histórias com final feliz e a prova disso é o Restaurante Alameda. Aqui Ljubomir encontrou “o homem mais maluco” de todas as temporadas. “O Fernando é completamente doido”, diz ao lembrar-se dos momentos dramáticos que viveu neste espaço. Depois da ajuda do programa da TVI, os proprietários conseguiram recuperar o espaço e hoje até têm um bife Ljubomir na ementa. Todas as semanas Fernando envia uma mensagem ao chef, que sempre que pode passa pelo restaurante para fazer uma visita. Um lado humano do programa que é claramente muito importante para Ljubomir e que o leva a caracterizar o seu trabalho “mais como psicólogo familiar do que chef.”

Percebe-se esta ligação genuína com as pessoas quando o vemos a reagir a vídeos com mensagens dos donos dos restaurantes, que mostram o seu apreço pelo facto de os ter ajudado. “Pesadelo na Cozinha” fez o chamado win, win, win: os participantes melhoraram a sua vida, o chef sentiu que ajudou as pessoas (e tornou-se uma estrela de televisão) e nós divertimo-nos no processo ao ouvir as tiradas do chef sem papas na língua.

Em jeito de despedida, aqui fica o Top 5 — só deste especial, com um extra no fim — de frases do chef Ljubomir  que mereciam ser estampadas em T-shirts:

“Uma coisa especial não é isto, isto é bater punhetas para cima do cliente”.

“Se não gosta de mim diga: ´seu filha da puta vá para a rua!´ E eu vou-me embora”.

“A tua tábua tá mais suja do que a minha sanita depois de cagar”

“Cortava a pila a qualquer cozinheiro do meu restaurante, se houvesse alguma coisa que eu não pudesse comer, foda-se. “

“Achas que isto é um restaurante, quando as pessoas demoram 1h30, caralho. Estou a um fio de te espancar e ir-me embora.”

“Estamos à procura de orgasmo da comida.”