NiTfm live

opinião

Os IDLES são a melhor e mais importante banda rock do Reino Unido

O single "Mercedes Marxist" chegou às lojas na semana passada — é o som de um Reino (Des)Unido.
IDLES: nunca andem à porrada com um homem que fez uma permanente

Esta sexta-feira, 2 de agosto, viu o lançamento do novo single de 7 polegadas dos IDLES (escrito assim, tudo em maiúsculas) “Mercedes Marxist”. À boa maneira antiga, o single traz um B-Side no lado inverso, o igualmente tempestuoso “I Dream Guillotine”. Ambas as faixas foram gravadas nas mesmas sessões de estúdio do aclamado “Joy As An Act Of Resistance”, aquele que foi considerado aqui como o melhor álbum de 2018. Happy days, como diz o meu chefe. 

“Mercedes Marxist” já havia sido disponibilizado no Spotify a 7 de maio e na altura fiquei a pensar como é que um riff hipnotizante como este tinha ficado de fora do álbum. Segundo Joe Talbot (vocalista dos IDLES), o tema não entrou em “Joy,” uma vez que foi uma das primeiras composições após “Brutalism” (o álbum de estreia da banda, lançado em 2017), numa altura que ele se sentia inútil e miserável com a vida que levava. Faltava ao tema o toque de redenção do material que veio a seguir e como tal foi omitido do álbum. Ainda bem que Talbot mudou de ideias e deixou “Mercedes Marxist” ver a luz do dia.

Mas se já conhecíamos o Lado A desde Maio, só agora pudemos ouvir “I Dream Guillotine”. E foi ao ouvir a nova faixa no meu commute de sexta-feira de manhã que me apercebi que nunca tinha escrito sobre os IDLES aqui na NiT. E o crime que isso encerrava. Tempo por isso de falar naquela que é a melhor banda punk da atualidade.

Corrijo. Dizer que os IDLES são a melhor banda punk da atualidade será um eufemismo para aquilo que os rapazes de Bristol representam. Os IDLES são a banda rock mais importante do Reino Unido, e são maiores que este momento. Em primeiro lugar, porque romperam com o marasmo em que vive a cena rock up-and-coming. Depois, porque voltaram a trazer o Punk ao mainstream (vejam aqui “Danny Nedelko” ao vivo no programa do Jools Holland na BBC) e isso não é de somenos. Lembro que a última vaga punk que chegou ao grande público foi há 20 anos e tinha como timoneiros duas bandas que juntavam no seu nome substantivos e algarismos aleatoriamente. Mas a distância que vai dos Blink 182 e dos Sum 41 aos IDLES é incomensurável. Os IDLES são reais e falam de problemas reais. 5 homens dos council estates, cheios de cicatrizes da vida.

A banda de Bristol foi a revelação de 2018 para o grande público, mas para quem andava atento, foi apenas uma confirmação. Eu já levava a lição estudada de “Brutalism”, desde que li uma review deliciosamente exagerada, onde o crítico descrevia o disco como a soma de “Never Mind the Bollocks, Here’s the Sex Pistols”, “It Takes a Nation of Millions to Hold Us Back” (Public Enemy), “Fresh Fruit For Rotting Vegetables” (Dead Kennedys) e “Bad Brains”, tudo ao mesmo tempo. Embora a descrição fosse desavergonhadamente hiperbólica, foi o suficiente para me gerar curiosidade para ouvir o álbum.

Tratei por isso de arranjar bilhete para o primeiro concerto da digressão do novo álbum que, por sorte e acaso, aconteceu em Kingston, a meia hora de Esher, onde eu trabalho. Foi um daqueles acasos da vida que me apanhou no sítio certo no momento certo. O concerto era na véspera do lançamento de “Joy As An Act Of Resistance” e foi por isso a primeiríssima vez que tocaram os temas do novo disco. Começou as 22:30 e terminou à meia noite, hora do lançamento oficial. Fui por isso um dos primeiros a ouvir temas como “Never Fight A Man With A Perm” (belo conselho) e logo ali percebi a magnitude do que aí vinha. Mas confesso, nem eu estava à espera de tão efusiva recepção por parte do grande público, de uma banda punk tão in-your-face como os IDLES. Mas talvez seja precisamente isto que precisamos neste momento – uma barragem visceral de emoções e decibéis.

“Joy As Act Of Resistance” caiu no ano passado como um menir gigantesco neste Reino Des(Unido) pelo o Brexit. Os IDLES trouxeram um género novo para o mainstream, que eu só consigo classificar como Art-Punk-Catártico. É punk, é arte e é catarse. Tudo nos IDLES tem uma razão de ser. A entrega pode ser barulhenta, mas há tanto para explorar na sua música. A mensagem é a mais actual, mais premente e mais convincente que qualquer banda tem para nos dar neste momento: crítica política e social, a varrer todos os assuntos da actualidade, desde o nacionalismo, a emigração, a masculinidade tóxica, a parentalidade moderna e o absurdo confronto sexual que tem separado homens e mulheres. Tudo sem medo, mas com aquele toque de humor witty britânico. Já à musica, ela ora é dotada de uma produção luxuosa (“June”), ora de uma estrutura complexa (“Colossus”), consoante a canção o peça. Os riffs são hipnotizantes (“I’m Scum”), os refrões são monolíticos (“Never Fight A Man With A Perm”) e por vezes até tem um certo charme a piscar o olho às rádios (“Danny Nedelko”). É malha atrás de malha.

Sem surpresa, “Mercedes Marxist” e “I Dream Guillotine”são uma continuação natural da sonoridade do álbum que abanou o Reino Unido no ano passado. Que é como quem diz, são mais uma descarga da imensa barragem emocional que os IDLES parecem ter em pleno armazenamento, pronta para para mais uma torrente.