Opinião

KIA Rio: os coreanos sabem fazer as coisas bem — menos as guerras

Este modelo surpreendeu-me e fiquei fã da marca. Isso não é uma coisa que acontece todos os dias.

Os preços começam nos 14 mil euros.
O novo design é muito mais apelativo do que o anterior.
O interior é simples e bem construído.

Não é todos os dias que conduzimos um KIA pela primeira vez. Esta expressão é, no entanto, um pouco parva porque, na verdade, só fazemos uma coisa pela primeira vez, uma única vez. Mas eu adorei a minha primeira vez. Foi assim de madrugada, uma cena meio rebelde, o barulho tinha de ser pouco ou nenhum, até, para não acordar os outros utentes do lar. Estou a fugir to tópico. Peço desculpa a todos. É mesmo isso: foi a primeira vez que conduzi um KIA e deram-me um Rio para as mãos.

Eu não KIA mas fiquei surpreendido. Quem, também, ficou surpreendido, foi o leitor, porque pensava que estava a ler uma crónica automóvel e não um guião de teatro de revista. Eu já sabia que os KIA são bons. Afinal de contas, não é qualquer marca que dá sete anos de garantia com os seus carros. Das duas uma: ou tem muita confiança no seu produto e sabe o que está a vender, ou as peças são super baratas de substituir. Eu acredito que seja a primeira, até porque estive com este Rio uns dias e aquela apreensão inicial de ensaiar um carro e uma marca pela primeira vez e não saber se é bom ou não foi embora num instante.

É verdade que o facto de ser sul-coreano é uma garantia por si só. Todos sabemos que os coreanos sabem fazer as coisas. Tecnologia, carros, novelas com demasiada música lamechas, etc. Menos guerra. Guerra não é o forte deles. Na realidade não é o forte de nenhum país asiático. São muito 8 ou 80. Aquilo ou é “somos bué amigos e vamos ser felizes para sempre”ou “vou destruir-te a ti e às tuas próximas quatro gerações através do arremesso de facas de gume afiado e chuva de lava”. Acho que tem a ver com a honra ou assim.

Este carro, no entanto, é um 36; está ali no meio. Não é um espanto, mas não é nada mau. Aliás, eu dei por mim a achar que este KIA Rio dava um ótimo carro de serviço para uma empresa. Não só pela garantia – que é algo fantástico quando falamos de custos de manutenção de frota – como pela qualidade geral e motorização. Vou ser sincero: não vejo que dê para muito mais. Não é um carro de viagens longas porque não prima nem pelo maior conforto, nem por motores generosos. É, no entanto, ótimo para o dia-a-dia. Os motores vão de um 1 litro turbo a gasolina com 100 cavalos a um 1.4 a gasóleo com 77 ou 90 cavalos, passando por um 1.2 litros a gasolina com 84.

Eu andei com este último. Conduz-se bem e a única coisa que posso apontar é a falta de tato na embraiagem, um pouco pela baixa cilindrada e potência. Não se “sente” o carro. Se, para algumas pessoas, isto é ótimo, para mim é um ponto negativo. Mas nada que altere a minha opinião. Este KIA Rio surpreendeu-me e fiquei fã da marca. Não é todos os dias que uma marca se pode gabar de ter ganho um fã através do seu carro mais orientado para as massas.

nota NiT: 75%
tags: KIA, opinião
Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo  

outros artigos de opinião