opiniao

“Casados à Primeira Vista”: Bruno aprendeu ‘jujipso’ e Marta pediu ajuda do VAR

O humorista e cronista Miguel Lambertini analisa o episódio deste domingo do programa da SIC.

No episódio deste domingo, 22 de dezembro, de “Casados à Primeira Vista, na SIC, chegámos ao último jantar antes da cerimónia de renovação de votos. É o momento em que os casais decidem se querem dar mais uma chance ao amor continuando juntos ou, em alternativa, voltando a ativar a sua conta do Tinder. Na semana que passou, os participantes foram desafiados a sair da sua zona de conforto e a ir acampar para o meio de nenhures. Como forma de mostrar aos casais a importância de se apoiarem mutuamente em todas as circunstâncias, a produção preparou uma série de exercícios militares ao estilo de recruta. No ano passado já tinha sido a mesma coisa.

Uns senhores vestidos de militares chegaram ao acampamento muito zangados e começaram a gritar palavras de ordem para intimidar os “recrutas”. Depois de explicarem que iam humilhá-los, testar a sua resistência física e psicológica e levá-los ao limite, perguntaram se alguém queria desistir. Estranhamente, só Lurdes e Tatiana é que foram espertas o suficiente para dizer “eu”. Os restantes decidiram ficar. De futuro, caso rebente uma guerra onde homens vestidos de militares correm de um lado para o outro enquanto gritam aos berros, eles já sabem como agir.    

Depois de brincarem à tropa, os participantes seguiram para a sua vida real onde brincam aos casais. Tatiana e Bruno aproveitaram para dar mais um passeio por Lisboa e reviver os melhores momentos da sua experiência. Bruno confessou que gostou particularmente da aula de “jujipso”. Perdão? “Como é que é? ji-jipso?” É quase isso, Bruno, se calhar é mais fácil dizer “aquela cena da porrada onde tu ias morrendo sufocado”, para facilitar. 

Liliana e Pedro marcaram uma sessão com o Dr. Fernando para tentar resolver as questões que se prendem com o facto de Liliana não suportar estar perto do marido. É muito divertido ver este casal tentar obter conselhos matrimoniais nesta fase. Era como se o Trump quisesse aprender sueco em dois dias para escrever um postal de Natal à Greta Thunberg. Pedro já comprou duas camas para começar a dormir com Liliana no mesmo quarto e já programou uma data para ir ao cinema, como estratégia para passarem mais tempo juntos. Espetacular, agora já só falta… tudo, para poderem ser considerados um casal.

Jantar de casais

Tatiana e Bruno são os primeiros a chegar, seguidos de Liliana e Pedro. Os casais falam sobre o exercício militar e os desafios que isso impôs a cada um. Pedro entusiasma-se e acaba por falar por cima de Liliana. “Importas-te só que eu termine, é que já é a segunda vez que me interrrrrompes”, pede Liliana com aquele sorriso passivo-agressivo que só ela faz tão bem. Não há nada mais irritante do que estar a falar e ser interrompido. Ah, espera, há sim, é levar um rrrrrraspanete da Liliana, à frente de outras pessoas.

Tatiana explica que não quis participar no exercício porque tinha discutido com Bruno e “se ia haver toque a cena ia correr muita mal”. A enfermeira assume que não consegue superar este problema de contacto com o seu marido Bruno. Uns não suportam estar juntos, outros não suportam tocar-se, no fundo é o dia a dia de milhares de casamentos em todo o mundo. E ainda há pessoas que têm o descaramento de dizer mal de “Casados à Primeira Vista”… 

Marta e Luís entram na sala mas os outros não ligaram muito, porque ao que parece ainda há algum desconforto, um resto de awkwardness do programa passado que não desapareceu em definitivo.

Depois de se sentarem à mesa, para o seu último jantar juntos, os casais levam com mais um momento de perguntas e respostas. Uma delas foi: “O que é que mudou na tua relação?” Depois de várias explicações de cada um dos presentes, Bruno também dá a sua visão: “Não tinha noção de que era inseguro. Agora já consigo comunicar sem tocar nas pessoas.” Passados três minutos surge outra pergunta: “Que conselho darias a outro casal?” Depois de Hugo aconselhar os colegas olharem sempre em frente, Bruno, que já consegue comunicar sem tocar nas pessoas, o que é que faz? Levanta-se e agradece ao Hugo — tocando-lhe.  

Entretanto, no canto da mesa, Pedro sussurra para Liliana: “Nós não vamos ter direito a nenhum conselho”. Liliana responde: “É sinal de que não estamos assim tão mal.” Ai, ouvir a falta de noção da Liliana é quase tão hilariante como ouvir o Bruno a tentar dizer jiu-jitsu. 

No final do jantar, os casais brindaram com muita nostalgia e já alguma saudade daqueles momentos de convívio. Ainda parece que foi ontem que vimos os casais entrarem na sala com olhar de esperança e a Ana Raquel com vontade de os trucidar a todos e agora já chegámos quase ao fim. Mas é assim: o que é bom tem de acabar, e como disse Liliana durante o jantar: “Agora é que começa o verdadeiro desafio”: O que quer que isso signifique…

Cerimónia de Comprimisso

Inês e Hugo

O casal reviveu os momentos mais marcantes do programa, incluindo o treino militar que fizeram na semana anterior. Inês diz que da cintura para cima consegue fazer todo o tipo de exercício, da cintura para baixo é que não. Uma frase que podia ser uma metáfora para a relação amorosa do casal. Depois cada um respondeu à “pergunta da honestidade”, uma questão que cada participante quis fazer ao seu parceiro.

“Quais foram as cedências que fizeste com o objetivo de te apaixonares por mim e se os mesmos foram suficientes para uma real aproximação”, escreveu Hugo. Inês respondeu: “A minha primeira e mais importante cedência foi deixar no dia do altar a minha crença, uma crença de paixão.” Uma crença de paixão era um bonito título para o próximo livro de Pedro Chagas Freitas. 

Pedro e Liliana tiveram uma semana melhor.

Depois foi a vez de Hugo ler a sua questão: “Em algum momento, te sentiste apaixonado por mim conforme tantas pessoas pensam?” Hugo foi direto: “Não, lamento mas não.” O alentejano explicou que só conseguiria se ela se apaixonasse por ele. No entanto, ambos escolheram ficar e seguir para a semana da reflexão.

Liliana e Pedro

Para Liliana e Pedro, a semana correu muito bem e aumentou a cumplicidade entre ambos. “Durante o exercício de treino desta semana, ele esteve lá sempre. E eu nunca fiquei sozinha. Eu e o Pedro estamos cada vez mais unidos e mais cúmplices”, explicou Liliana. Na leitura das perguntas da verdade, Pedro contou que teve uma relação amorosa em que sofreu imenso, quando tinha 15 ou 16 anos.

“Fiquei doente, numa crise depressiva que me mandou para a cama e desde aí que fiquei com uma imagem muito negativa da mulher”, contou. Coitado do Pedro, teve um desgosto de amor com 15 anos e isso marcou-o muito. Por amor de Deus, quem é que não teve um desgosto de amor com 15 anos? O Pedro quis dar uma de Liliana, mas ainda tem muito que aprender até chegar ao nível de dramalhão da Dr.ª Liliana. Questionados sobre a continuidade no programa, ambos decidiram continuar a tentar.

Marta e Luís 

No sofá, Marta aproveitou para esclarecer uma situação que a deixou muito zangada. “Na semana passada fiquei muito triste e até ofendida por ter sido sugerido que eu poderia estar a manipular o Luís, mas depois quando fiz o exercício do treino percebi que só me ofendem se eu deixar, por isso sem ressentimentos”, desabafou a jornalista. Os especialistas explicaram que não foi bem isso que disseram e Marta sugeriu que passassem as imagens da semana passada para confirmar a sua teoria. Depois de verificar as imagens do vídeo-árbitro, é fácil concluir que Marta estava a exagerar na sua indignação, por isso, o lance foi anulado.  

Marta questionou Luís sobre as suas ex-namoradas, e ele afirmou ter ficado amigo de todas. Já Marta esquivou-se a responder à questão do marido que pretendia saber que se ela voltasse a entrar estaria mais aberta a falar sobre alguns temas, como por exemplo os seus pais. Apesar das dificuldades os concorrentes, decidiram continuar na experiência. 

Tatiana e Bruno

“Eu com a Tatiana sinto que sou eu mesmo e não tenho vergonha das minhas brincadeiras. Ela até se ri comigo. E isso é maravilhoso”, disse Bruno. Sobre o problema que sente com o toque do marido, Tatiana admitiu não saber responder. “Toda a gente sabe que eu não sinto atração nem amor pelo Bruno.”

Depois, Tatiana insistiu em saber quais são os verdadeiros sentimentos de Bruno. Este começou por tentar fugir à questão, mas lá admitiu: “Sim. Eu gosto de ti como gostava”. Afinal, o Bruno lamechas ainda não desapareceu e todos sabíamos disso, menos o Bruno. Sobre a continuidade no programa, ambos decidiram ficar. 

Lurdes e Paulo

Questionada por Paulo, Lurdes admitiu que voltaria a aceitar o convite feito na cerimónia de compromisso em que se separou de António. “Tudo o que aconteceu até à data de hoje tem sido bom e tem sido muito positivo”, acrescentou. No entanto, os concorrentes decidiram “terminar” o seu percurso na experiência, esclarecendo que “estão muito felizes e que saem em paz”. Que o Senhor os acompanhe. 

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT