NiTfm live

opinião

Lena D’Água está de volta com um lote de canções de macramé

"Desalmadamente" é o regresso triunfal da nossa menina.
A nossa menina voltou melhor que nunca

Uma das maiores revelações deste ano vem de uma artista cuja carreira discográfica começou há 40 anos. Parece estranho eu categorizar como revelação alguém que tem mais anos de música do que eu de vida, mas o novo disco de Lena D’Água é muito mais do que uma mera nota de rodapé nos lançamentos da semana. É o regresso triunfal de um ícone da cultura portuguesa, que adotámos nos anos 80 como a nossa menina e depois largámos à sua sorte. Ela está de volta, melhor do que nunca.

Filha do mais elegante levantador de taças da História, foi em 1979 que, ainda sob o nome de Maria Helena Águas, lançou o seu primeiro álbum de música infantil “Qual É Coisa Qual É Ela?”. Dona de uma voz de menina e uma carinha angelical, a Maria Helena passou a Lena d’Água e na década de 80 conquistou as tabelas e os corações dos portugueses. Teve uma carreira ultra-prolífica naqueles 10 anos, tanto a solo, como na Salada de Frutas e na Banda Atlântida e assim se tornou numa das estrelas pop que mais brilharam no nosso país. Depois, veio “a porcaria da droga” e a nossa menina perdeu-se. E nós esquecemo-nos dela.

Fast-forward para 2019 e a Lena está de volta com “Desalmadamente” — o seu primeiro álbum a solo de originais desde “Tu Aqui”, de 1989. E como eu disse no início, é uma revelação. “Desalmadamente” é um disco sonhador e quase autobiográfico. “Quase” porque, na verdade, foi escrito por Pedro da Silva Martins, dos Deolinda. Pedro tricotou um lote de canções de macramé, especificamente para a nossa menina, com um carinho que é audível nestas gravações. Há que tirar o chapéu ao grupo de músicos que ajudaram a Lena a ser um furacão outra vez — Francisca Cortesão, António Vasconcelos Dias, Mariana Ricardo, Benjamim e Sérgio Nascimento. Num disco de influências diversas no espaço e no tempo, eles foram várias bandas diferentes, mudando a bússola da máquina do tempo consoante o que a canção pedia. 

São vários os destaques do álbum. Começo pelo mais óbvio, o single de avanço “Grande Festa”. Todos os superlativos se aplicam. Num tema que parece retirado das sessões de “Parklife”, dos Blur, eu ia jurar que ouvia o Graham Coxon na guitarra. Mas pelos vistos não. São a Francisca e o António. E aquele órgão delicioso que conduz o tema, esse é do Benjamim. Música produzida em 2019, mas de aroma intemporal. 

E por falar em intemporalidade, que dizer do tema de abertura “Opá”, com uma introdução de embalar que evoca o início de carreira da Lena, num dos temas mais fortes do álbum? A história da sua vida é espelhada em “Queda Para Voar”: “Cheguei, subi para o palco e caí no chão e aplaudiram a minha canção”. Impossível não sorrir à ironia deste tema. “Minutos” é outro dos meus grandes favoritos, um tema que junta uma linha de órgão que parece levantada do “Closer” dos Joy Division a um solo de saxofone urbano dos Destroyer. Junta-se a voz delicada da Lena e todo este tricot resulta numa manta de luxo.

Que revelação é este “Desalmadamente”. Ao fim de seis meses, é difícil encontrar na pop de 2019, nacional ou internacional, algo que sequer se aproxime remotamente de algo como a “Grande Festa”. Para quem teve que se submeter recentemente ao novo álbum da Madonna, voltar a ouvir a “Grande Festa” significa perceber com toda a clareza de que lado é que se encontra a verdade. Para mim, é até ver o tema pop do ano. De longe.