NiTfm live

opiniao

Globos de Ouro: volta Humberto Bernardo, estás perdoado

Cristina Ferreira foi a rainha da noite e quis vestir para impressionar. Se conseguiu, sim. Se as escolhas são consensuais, não. Se há ali bom material para memes, sem dúvida.
Cristina até teve direito a coroa.

Como já é tradição, o Coliseu dos Recreios encheu-se uma vez mais de “gente bonita”, “muito glamour” e também de uns quantos senhores e senhoras séniores que foram contratados para estar junto à passadeira vermelha a aplaudir os convidados e a fingir que estavam a adorar estar ali de pé durante 4 horas. Eu tentei ser um desses fãs efusivos para poder assistir a toda a emoção de perto, mas disseram-me que como ainda tenho dentes, não me qualificava.

Tive por isso de me resignar à minha qualidade de telespectador e assistir à cerimónia no sofá de casa, o que tem a vantagem enorme de poder gritar “seecaaa!” quando me apetecer sem o risco de ser expulso da sala. E houve de facto alguns momentos durante esta gala em que tive de pegar no comando e puxar para a frente. E diz o leitor mais atento, “então mas se era em direto, como é que ele conseguiu andar para a frente?” Simples, comecei a ver com uma hora de atraso já a prever (como veio a confirmar-se) que ia haver discursos de adormecer um cocaínado. Ainda assim, pelo que percebi, o Diogo Amaral aguentou-se desperto até ao fim.

A Gala deste ano dos Globos de Ouro foi recheada de novidades: novo cenário, novas categorias, mas mais importante de tudo, nova apresentadora. Cristina Ferreira foi a rainha da noite e quis vestir para impressionar. Se conseguiu, sim. Se as escolhas são consensuais, não. Se há ali bom material para memes, sem dúvida. Mas Cristina sabe que falem bem ou falem mal, o que interessa mesmo é que falem. Por isso seguindo essa máxima, aqui ficam um descritivo daqueles que foram na minha opinião, os melhores momentos da XXIV Gala dos Globos de Ouro.

Os Looks da Cristina Ferreira (e não só)

Para entrar pela primeira vez no palco do Coliseu, Cristina escolheu um vestido “feito com o desperdício das rolhas de cortiça”, que provavelmente apanharam no final do casamento do Toy. O vestido é da autoria de Micaela Oliveira e tem inspiração no lixo deitado aos oceanos. Na realidade não era propriamente um vestido, era um género de instalação que podia estar exposta num museu de arte contemporânea, porque nas costas Cristina tinha um género de algas esvoaçantes a fazer lembrar uma personagem da Marvel. 

O segundo look da noite foi de autoria da Gata Borralheira. Não foi mas podia ser, porque Cristina quis dar um tom de conto de fadas à cerimónia e por isso deu destaque à Dona Elisa, uma costureira anónima que criou o vestido de gala vermelho fatal e subiu a palco com João Manzarra para apresentar o prémio de Personalidade do Ano em Moda. Foi aqui que assistimos um dos gags da noite, um género de “momento Moonlight” dos Óscares, mas com mais piada. Manzarra deu o cartão errado a D. Eliza que acabou por ler o vencedor do prémio anterior e por isso anunciou com grande pompa que a personalidade do ano em moda era: “Raiva”. Maravilhoso, volta Humberto Bernardo estás perdoado. Estou a brincar, deixa-te estar onde quer que estejas. Na verdade não foi “Raiva” quem ganhou o prémio, mas sim a Sara Sampaio, embora raiva até não seja muito descabido, uma vez que é o sentimento que algumas mulheres têm quando vêem fotos da barriga da Sara.

No terceiro look Cristina apresentou um modelo do estilista João Rolo que a própria explica que demorou 870 horas a ser feito. Uma pesquisa rápida no Google esclarece que estamos a falar de cerca de um mês e uma semana, que é mais ou menos o tempo que a minha mulher leva a experimentar um vestido na Zara. Este modelo fez-me muito lembrar o filme “Elizabeth”, sobre a rainha de inglaterra Isabel I, embora Cristina tenha optado por levar a coroa no visual seguinte.

Visual este composto por um vestido comprido todo branco e um género de antena parabólica/capacete marciano a enfeitar a cabeça. Mais uma vez Cristina Ferreira a inovar e surpreender, disponibilizando wi-fi grátis para todos os presentes no Coliseu.

Cristina era uma das nomeadas para a nova categoria de Melhor Programa de Entretenimento e surpresa das surpresa, não é que ganhou mesmo o prémio? “Quando me disseram que estava nomeada e que podia ganhar, pensei: ‘Não quero! Estou lá a apresentar, não faz sentido’. E depois pensei que quero. Quero porque é justo”, afirmou a apresentadora enquanto os óculos dos convidados embaciavam com a quantidade de humildade que de repente ficou naquela sala. No final do seu discurso, Cristina vira-se e revela a imagem de Nossa Senhora estampada no seu vestido, como forma de assinalar a sua fé. Felizmente o vestido não era verde e preto, não fossem as pessoas confundir a Cristina com um táxi e tentar apanhá-la à saída do Coliseu.

Entretanto Cristiano Ronaldo ganha o Globo de Ouro pela milésima vez (chupa Messi, quantos é tu já ganhaste?) e Cristina surge depois a acompanhar Francisco Pinto Balsemão, usando o seu último look, um vestido de plumas cor de rosa, a fazer lembrar o Poupas da Rua Sésamo, se fosse para a marcha do Orgulho LGBTI+ com o Becas e o Egas.

Para fechar a rubrica “polícia da moda”, não posso deixar de mencionar o incrível vestido de Diana Chaves, que claramente foi a vencedora da noite, com dois globos de ouro. É certo que já os trouxe de casa, mas ainda assim não deixa de ter todo o mérito.

António Variações no Coliseu

O ator Sérgio Praia, que interpreta o papel de António Variações no mais recente filme sobre o artista, conseguiu colocar a plateia do coliseu toda de pé a cantar e a dançar ao som de “Estou Além”. Um bom momento de televisão e principalmente uma homenagem merecida a António Joaquim Rodrigues Ribeiro que, 35 anos depois da sua morte tem o Coliseu dos Recreios rendido a cantar uma das suas canções. Sérgio Praia estava caracterizado como António Variações, em tronco nu com ligaduras nos braços e a cabeça toda branca. O Diogo Amaral ainda tentou ir lá, mas depois explicaram-lhe que aquilo na cabeça não era o que ele estava a pensar. Caraças, duas vezes na mesma crónica, estarei a passar da “linha”? Que se lixe, eu gosto de “arriscar”. Pronto, eu paro.

Ela continua

Foi sem dúvida um dos momentos mais emotivos da noite. Bento Rodrigues, leu com o seu vozeirão um texto bonito enquanto no centro do palco eram projectadas imagens numa silhueta de mulher, que ao desvendar-se percebemos que era a de Bárbara Guimarães. A ex-apresentadora dos Globos de Ouros estava visivelmente emocionada e essa emoção contagiou toda a plateia, o que resultou num momento comovente de choradeira. Aqueles, como eu, que tivemos de nos conter quando vimos o vestido da Diana Chaves, aproveitamos este momento para verter uma lágrima.

RAP e os Maias

Ricardo Araújo Pereira ganhou o prémio de personalidade do ano do humor, mas como não pôde estar presente enviou uma mensagem em vídeo. Foi o momento mais divertido da noite, ponto. Obviamente pela mensagem do RAP mas também porque depois do vídeo Cristina diz: “Ricardo Araújo Pereira, na SIC!” e a realização dá um plano da Filipa Garnel com cara de quem acabou de pisar uma bosta gigante de cão quando ia a entrar para o Uber.

A despedida e o Vizinho

Já mesmo a terminar a noite, depois do discurso sentido da grande Maria do Céu Guerra que ganhou o prémio Mérito e Excelência e dedicou o Globo à atriz brasileira Fernanda Montenegro que segundo a própria sofre com o governo de Bolsonaro — post da Maria Vieira indignada em 5,4,3… — Cristina Ferreira fecha o evento a pedir ao “vizinho” Cláudio Ramos que se junte a ela.

“Só saio deste palco de mãos dadas a quem amanhã abre as portas comigo às 10h”, A cara do Cláudio foi “priceless” e resume bem o mood da gala de ontem: “Não ganhei um globo de ouro, mas sou o BFF da rainha da televisão, e isso actualmente vale mais que qualquer prémio…txau bitcheeeez!”.