opinião

Crítica: Noel Gallagher ao vivo em Wembley — todas as cores do meu Beige Boy favorito

O fundador dos Oasis apresentou o seu último álbum em Londres com um concerto colorido e arrojado.

"Fort Knox"

Indiferente ao epíteto de “Beige Boy” que o irmão mais novo lhe colocou, ou talvez até a desafiar essa noção que se tornou um homem insípido com a idade, o sucesso e o status, Noel Gallagher regressou a Wembley munido de um dos light-shows mais impressionantes a que já assisti — a rivalizar com os mestres David Gilmour e Roger Waters — e deu um concerto pleno de cor e personalidade. Já sabia que ia ser bom (é o Noel!), mas não sabia que ia ser TÃO bom. Uma agradável surpresa.

É de facto preciso coragem para descartar o espólio de uma vida de canções (que estão a ser devidamente capitalizadas pelo irmão), em detrimento de um álbum novo muitos furos abaixo da bitola a que o Noel nos habituou. Por esta altura, mesmo imbuído na sua soberba, até o próprio Noel já se terá percebido que este não é o seu melhor trabalho, mas nem por isso deixou de tocar o álbum quase na íntegra (deixando de fora o melhor tema — “The Man Who Built The Moon”). Para o Noel, é este o álbum que temos, é este o álbum que vai e ponto final. Respect por isso.

O preço a pagar é ver os seus espetáculos — outrora instantaneamente esgotados — com dificuldades para encher salas de 10 mil pessoas, enquanto o irmão vende 40 mil bilhetes em minutos para o Finsbury Park. No Wembley Arena porém, não parecia caber mais ninguém. Por entre uns idiotas com T-shirts do Liam — e eu que me dei ao trabalho de ir a casa trocar a parka que tinha vestida por um bomber jacket igual ao do Noel! — havia uma plateia ávida pela música do Noel. Os fiéis.

Depois de uma hora de álbum novo, o Noel lá resolveu dar uns bombons à audiência. O primeiro tema dos Oasis surgiu já na segunda metade do set, mas logo do álbum mais pobre da banda — “Heathen Chemistry”. Noel manteve-se sempre em gincana pelo material mais conhecido do grande público e mais à frente tivemos canções de “Don’t Believe The Truth” e do meu preferido (mas tão odiado) “Standing On The Shoulder Of Giants”. De “Definitely Maybe”, só houve um B-side e de “(What’s The Story) Morning Glory?”, só os obrigatórios “Wonderwall” e “Don’t Look Back In Anger”.

Mas se era para sermos radicais, eu também me livrava destas duas maçadas e substituía por temas escritos no período criativo dourado de 1998 e 1999 que serviu para alimentar os Oasis e o Noel durante 10 anos. Vamos embora Noel, “Solve My Mystery” e “Idler’s Dream”, em vez de “Wonderwall” e “Don’t Look Back In Anger”.

O entusiasmo retraído era tal, que a audiência cantou até as partes de piano de “Wonderwall”, num dos momentos de maior euforia coletiva da noite. Além destes, os mais óbvios, as grandes reações da noite saldaram-se por insanos mosh pits em “Ballad Of The Mighty I” (grande tema, mas wtf?!) e “Go Let It Out” (perfeitamente justificado, foi o ponto alto do concerto e também eu lá mergulhei) e por singalongs em “If I Had A Gun” (aquele primeiro álbum a solo é uma delicia do princípio ao fim) e “Dead In The Water”, que foi aliás o único tema novo a ter uma recepção semelhante aos clássicos.

O que me leva também à conclusão óbvia de que, se dúvidas ainda houvesse, as canções do álbum novo não foram adotadas pelo público. Nem mesmo pelo público do Noel, que é lesto a devorar e a decorar as suas letras. Esta já é a quarta vez que vejo o Noel a solo em Londres e é a primeira que vejo uma audiência a morrer. Mesmo em temas novos, o público do Noel nunca desarma. Basta observar a reação eufórica que teve “In The Heat Of The Moment” — single do álbum anterior — para perceber que nem só de Oasis vivem os fãs do Noel.

O forte do Noel sempre foram os refrões simples e virais, impossíveis de tirar da cabeça. Ninguém nos últimos 25 anos escreveu tantos e tão orelhudos refrões como ele, pelo que neste capítulo, Noel faz jus à sua alcunha — é ele o Chefe. Se agora decide anular o seu forte e começar a focar apenas nos grooves, deixa de ser o melhor e passa a ser apenas bom. E conhecendo-o como o conheço, o Noel não é menino para se contentar com isso. Muito menos quando vê o irmão passear o seu sucesso (com as canções dele) à sua frente. Esperemos pois pelo álbum de redenção, pleno de refrões contagiantes, e pela digressão de consagração, que deverão estar já aí ao virar da esquina. Para já, se quiserem ver um Noel diferente de tudo o que nos mostrou até hoje (eventualmente até demais), é aproveitar e apanhar a digressão de “Who Built The Moon?” enquanto é tempo.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT