viagens

Vem aí um comboio para descobrir as ruínas secretas da civilização Maia

A linha deverá atravessar toda a Península de Yucatán, com 17 paragens pelos principais — e também pelos mais escondidos — atrativos turísticos da região.

Calakmul, México.
As ruínas de Chichen Itza.
Izamal.
Palenque.
Campeche.
Playa del Carmen.
Merida.

Ter a oportunidade de explorar o incrível mundo maia, toda a sua riqueza arqueológica e histórica, com praias e resorts ao lado, e isto no conforto de um comboio novinho em folha. Poder chegar a locais até agora praticamente intangíveis, secretos até, incríveis ruínas antigas, rodeadas de floresta, na mesma linha e com a mesma facilidade.

O projeto era antigo e um sonho de mexicanos e turistas que finalmente vai ser realizado: o presidente do México eleito em julho, Andrés Manuel López Obrador, diz que tudo isto vai mesmo avançar — e já em 2019.

Desde pelo menos 2012 que os partidos políticos mexicanos falam e lutam pela construção desta mega linha férrea Maia, mas em 2015, o projeto foi cancelado devido à falta de fundos.

Agora, como uma das primeiras grandes bandeiras do recém-eleito presidente, para impulsionar e melhorar o turismo no México, o projeto renasce, e maior do que nunca.

López Obrador fala agora em mais de 1500 quilómetros de linha de comboio, com três secções pela Península de Yucatán, paragens em importantes pontos e encorajando os turistas a conhecerem mais do México profundo, além dos seus resorts. É bom para o turismo e para as regiões abrangidas, muitas das quais no sudoeste do país e com problemas económicos, garante.

O comboio deverá partir de Cancún e depois seguir para sul por Tulum e terminar nas ruínas de Palenque, passando também pela incrível Chichén Itzá, a cidade construída pela civilização maia no final do período clássico.

A linha será assim.

O comboio deverá ter 17 estações: Palenque, Tenosique, Escárcega, Calakmul, Xpujil, Bacalar, Puerto FC, Tulum, Playa del Carmen, Puerto Morelos, Cancun, Valladolid, Chichén Itzá, Izamal, Merida, Maxcanú e Campeche.

O presidente quer que a obra, que deve começar em 2019, esteja concluída em quatro anos. Em algumas regiões já estarão mesmo a ser iniciadas as primeiras intervenções.

O plano original tinha sido proposto em 2012 pelo último presidente, Pena Nieto, que quis construir um comboio turístico de Cancún até Tulum e às ruínas maias de Palenque, numa linha única.

O plano do novo presidente, acrescenta uma linha a ocidente por Campeche, Merida e Valladolid antes de completar o circuito em Cancún, numa volta completa.

Algumas regiões como Calakmul, por exemplo, autênticos tesouros que até agora têm visitas residuais, ficarão mais acessíveis para todos, bem como os locais naturais pouco conhecidos que ficam ao sul de Tulum e da reserva natural Sian Ka’an, uma viagem que é hoje em dia difícil.

Passa a ser possível apanhar um avião para Cancún e depois ficar a conhecer todas estas 17 localidades incríveis, com ruínas, praias e até recifes de corais por perto.

Carregue nas setas da foto principal para conhecer alguns dos pontos de paragem previstos para o novo comboio.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT