Viagens

Boeing e Airbus estudam formas de evitar contágio dentro dos aviões

Entre as alternativas estão desinfetantes com efeitos até cinco dias ou materiais com propriedades de autolimpeza.
Cuidados redobrados.

À medida que a maioria das companhias aéreas se prepara para relançar grande parte dos seus voos e rotas, os fabricantes aéreos tentam fazer o seu papel em garantir que o contágio de coronavírus é reduzido ao máximo dentro dos aparelhos,

A Boeing e Airbus estão a investigar formas de limitar o contágio da Covid-19 dentro dos aviões, uma iniciativa para tranquilizar passageiros e relançar o tráfego aéreo fortemente afetado pela pandemia. Segundo a Lusa, as pesquisas envolvem académicos, especialistas em medicina e engenheiros, disseram as empresas na terça-feira ao The Wall Street Journal (WSJ).

A Boeing está a desenvolver modelos informáticos que simulam o ambiente em cabina, estando a avaliar igualmente a possibilidade de usar luzes ultravioletas para desinfetar os aviões.

Por seu lado, o fabricante europeu de aviões Airbus está a trocar informações com universidades de vários países, para encontrar outros métodos para reduzir a propagação do vírus.

Entre as alternativas a serem estudadas pela companhia estão desinfetantes com efeitos que podem durar até cinco dias, materiais com propriedades de autolimpeza ou equipamentos nas casas de banho que não requeiram contacto.

A Administração Federal de Aviação financia há anos investigações sobre a filtragem de ar em aviões, estando também a analisar formas de reduzir o risco de propagação do novo coronavírus entre os passageiros, em conjunto com a Airbus, Boeing e especialistas do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC).

Apesar de já existirem estudos sobre a propagação de patogéneos durante os voos, o comportamento do novo coroavírus continua a estar rodeado de muitas incógnitas, segundo os investigadores.

As pesquisas surgiram numa altura em que as companhias aéreas procuram tranquilizar os passageiros, garantindo que o ar é filtrado em cabina e que o uso de máscaras protege contra o contágio, depois de a pandemia ter levado a uma redução drástica no tráfego aéreo, até menos 90%.

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), as perdas no setor provocadas pela pandemia rondam os 314 mil milhões de dólares (286 mil milhões de euros), uma queda de 55% em relação ao ano anterior. O tráfego aéreo só deverá recuperar os níveis pré-pandemia após 2023, de acordo com a organização.

Várias companhias aéreas declararam falência, incluindo a Latam, a maior companhia aérea da America Latina, a Avianca, segunda maior empresa colombiana, a Virgin Australia, a South African Airways (SAA) e a Comair, além da britânica Flybe e de quatro filiais da Norwegian Air Shuttle, na Suécia e Dinamarca.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT