Turismos rurais e hotéis

Há um novo hotel no Intendente com insetos gigantes

O Hotel 1908 abre a 14 de fevereiro e fica num edifício histórico. O arquiteto venceu um Prémio Valmor no início do século XX.

Nos últimos anos, quem fazia o percurso pela Avenida Almirante Reis não perdia muito tempo no Largo do Intendente Pina Manique. Só havia duas exceções: se estivesse à espera para entrar na Cervejaria Ramiro ou se tivesse ido beber um copo à Casa Independente. Pronto, se calhar estamos a exagerar. No entanto, é pouco provável que alguém alguma vez tenha perdido muito tempo a olhar para o edifício à entrada no largo. A fachada até era bonita, mas há muito tempo que implorava por obras.

Agora já não é assim. Quando a NiT chegou à rua, mais precisamente ao número 6, era evidente que a paisagem estava diferente. Se por alguma razão não tivéssemos reparado no prédio (impossível), iríamos sempre acabar por tropeçar nos mirones que olhavam embasbacados pelas janelas. Pois é, há um novo hotel na cidade.

A 14 de fevereiro, o Hotel 1908 vai receber os primeiros hóspedes. Situado no Intendente, em Lisboa, o espaço tem 36 quartos, um lobby bar e um restaurante chamado Infame que serve pratos típicos da cozinha portuguesa com influência internacional. Mas é de história que se fala nesta “casa”. O hotel fica num edifício emblemático, que remonta ao início do século XX e é da autoria do arquiteto Adães Bermudes. Em 1908, quando ficou o pronto, o projeto recebeu o Prémio Valmor, que distingue os edifícios com a melhor qualidade arquitetónica da cidade. Como se não bastasse, falamos ainda de um (dos poucos) registos de Arte Nova no País.

“Foi um estilo com pouca expressividade em Portugal, apesar de existirem duas grandes referências em Portugal, no Porto: o Café Majestic e a emblemática Livraria Lello”, explica à NiT Margarida Almeida, da Amazing Evolution, empresa que gere o hotel. “A Arte Nova é um estilo muito ligado à natureza, algo que está patente na própria fachada do edifício.”

No projeto original do arquiteto Adães Bermudes, a água, terra, ar e fogo estavam representados na fachada — sobretudo com a inserção de animais. Havia cavalos-marinhos esculpidos na pedra, escaravelhos nas guardas de ferro e pavões nos painéis de azulejo. Foi tudo mantido e preservado.

Não foi fácil. O objetivo da recuperação era preservar ao máximo o projeto original do edifício, no entanto ao longo das décadas foram sendo feitas várias alterações.

“O projeto original era muito simples. Tinha um sub-loja, onde hoje fica o restaurante Infame, e apartamentos de habitação. Quando o edifício foi comprado, porém, estava muito compartimentado. Os pisos onde agora estão os quartos, e onde antes existiam apartamentos, estavam divididos em várias áreas, como salas de serviços, escritórios, dormidas. Estava muito avassalado.”

A sub-loja, por exemplo, estava dividida em quatro ou cinco lojas. Os pilares e a escadaria de ferro preto, que hoje estão desnudos no meio do restaurante para serem apreciados por todos, estavam escondidos por trás de gesso cartonado.

“O nosso objetivo foi devolver originalidade ao projeto. E como é que podíamos fazer isso? No exterior era fácil. No interior, achámos que podíamos fazê-lo convidando artistas plásticos portugueses, da nova geração, para trazerem o estilo naturalista para dentro do espaço.” Isto foi conjugado com o estilo mais industrial que o projeto tinha — e ainda tem — no restaurante e no lobby bar.”

Bordalo II, David Oliveira e Supervan, entre outros, foram desafiados a reinventar o estilo de Arte Novo. E a liberdade criativa foi total: “Deixámos completamente ao livre arbítrio dos artistas plásticos portugueses.”

Quando entramos no hotel, as peças de Bordalo II deixam-nos em choque. Não é todos os dias que passamos uma bonita e elegante porta azul e damos de caras com um besouro gigante

Resultou. Bordalo II colocou duas instalações no hotel: uma libelinha gigante no lobby bar e um besouro na receção. Para o fazer, utilizou como tela caixilhos e portadas, e utilizou materiais como restos de carpintarias, serralharias, móveis e pedaços da agora restaurada cúpula. David Oliveira colocou no topo da escadaria um Homem-Aranha, Vanessa Teodoro, mais conhecida como Supervan, pintou todo um mural que acompanha os hóspedes durante a viagem de elevador.

LOCALIZAÇÃO, CONTACTOS E HORÁRIOS

morada
  • Hotel 1908 [ver mapa]
    Largo do Intendente Pina Manique, 6
    1100-285 Lisboa
    localizações
    Lisboa, Intendente

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT