na cidade

Casamentos de Santo António: como tudo começou, os motivos e os prémios

Existem desde 1958 mas foram interrompidos durante 30 anos. São um dos pontos altos das Festas de Lisboa e têm uma história incrível.

A edição do ano passado.

Esta terça-feira, 12 de junho, as noivas e noivos preparam-se desde manhã cedo, a Sé de Lisboa decora-se a rigor e recebe em festa a celebração de vários casamentos ao mesmo tempo. Na véspera de Santo António, santo casamenteiro e padroeiro da cidade, Lisboa vive também um dos seus eventos com mais história e riqueza, e que permite a dezenas de casais, todos os anos, realizarem o seu casamento de sonho sem custos, com ofertas e num dia único e especial.

Os Casamentos de Santo António de 2018 vão acontecer como nos últimos anos a 12 de junho, este ano com a cerimónia civil às 11h30 nos Paços do Concelho, seguindo-se, às 14 horas, os casamentos religiosos na Sé de Lisboa.

A propósito da data, a Câmara Municipal de Lisboa partilhou esta segunda-feira, dia 11, um apanhado na sua Hemeroteca Digital, onde nos lembra como tudo começou, há 60 anos, em 1958.

Segundo a Hemeroteca, a ideia para os casamentos nasceu de uma proposta apresentada pelo vereador Augusto Pinto, em reunião de câmara. O jornal “Diário Popular” decidiu imediatamente apadrinhar a iniciativa, e em 15 de abril de 1958, já anunciava pela primeira vez o evento, prometendo ajudar a realizar “essa tão bela ideia de promover o casamento de jovens dos bairros populares na manhã de Santo António”, escrevia-se então. 

Conforme explica o arquivo da autarquia, tanto nesse ano de 1958 como nos seguintes, este jornal foi fundamental para viabilizar os casamentos, “mobilizando a sociedade civil, criando uma onda de simpatia, captando e noticiando apoios de particulares, estabelecimentos e marcas comerciais”.

Tudo ou quase tudo foi responsabilidade e ajuda do “Diário Popular” e da sociedade por ele movimentada: desde a angariação de padrinhos, a automóveis para transporte dos noivos, aos vestidos e ramos das noivas, penteados, os fatos e os sapatos dos noivos, as alianças, os produtos para a boda, a lua de mel, e até os prémios: cursos de formação, mobílias, eletrodomésticos, bens de primeira necessidade. Em algumas edições, e mediante sorteio, chegaram a ser entregues apartamentos. 

Depois de meses com notícias e angariações, “o sonho de raparigas pobres, honestas, boas filhas e boas irmãs”, foi ganhando força e no dia 12 de junho de 1958, escrevia-se no jornal que iam mesmo acontecer e estava tudo a postos para os primeiros Casamentos de Santo António, “devido à generosa ternura dos nossos leitores”.

Uma das reportagens do jornal, em 1958 (foto do arquivo da Hemeroteca Municipal).

Nesse ano, os casamentos aconteceram no dia 13 de junho, com 36 casais a dizerem o sim. Na véspera, o jornal escrevia que as 36 noivas, as tais “raparigas pobres”, era por diversas vezes referido, iriam conseguir realizar o que tanto desejavam: “elas sabiam e sentiam que os seus prometidos eram bons rapazes e desejavam do fundo do coração o enlace breve. Mas as dificuldades materiais eram tantas para remover que muitas se sentiam já sem esperança, exaustas algumas, na luta pelo que, em muitos momentos, consideravam já impossível”.

As ajudas e prémios eram já consideráveis. A Santa Casa deu dinheiro (12 mil escudos, que era então uma grande soma), a Câmara de Lisboa ofereceu o copo de água aos jovens e suas famílias, nos Paços do Concelho, e o próprio “Diário Popular” pagou os documentos e burocracias e deu a cada casal 500 escudos para as primeiras despesas.

Os vestidos foram oferecidos por marcas comerciais, bem como chapéus, sapatos, transportes e até “vestidinhos para os primeiros filhos” dos casais. As dádivas em trabalho, em serviços ou dinheiro vinham afluindo desde que o anúncio fora feito a 13 de abril e tudo foi entregue aos noivos, numa festa que fez honras de duas extensas páginas, na edição vespertina do próprio dia 13, com todo o relato no histórico jornal.

Já no dia 14, eram noticiados alguns prémios e agradecimentos de última hora: duas diárias em datas à escolha para os noivos, pela Pensão Nova Sintra, fatos e gravatas, caixas de espumante.

Hoje em dia, não é assim tão diferente. Os mais de 30 patrocinadores da cerimónia oferecem os vestidos de noiva, os fatos para os noivos, os sapatos, os penteados, o copo de água, além cerca de mil euros, para gastar em electrodomésticos e tecnologia, a lua de mel, a noite de núpcias e as alianças, entre outras ofertas. Agora há um site, onde tudo é explicado, da candidatura aos requisitos, e onde são apresentados os noivos.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

NiTfm

AGENDA NiT