Na cidade

Há 6 anos que não havia tão poucos novos registos de alojamento local

Em abril deste ano foram apenas pedidas 189 unidades — no mesmo mês do ano passado foram 1.750.
O setor mudou com a pandemia.

Os números relativos aos novos registos de Alojamento Local mostram o que já se suspeitava: o setor está em inversão e mesmo em crise, com apenas 189 novas unidades a serem abertas ao longo do último mês de abril — o pior resultado dos últimos 64 meses.

Segundo um novo estudo da consultora Imovendo. é necessário recuar até setembro de 2014 para encontrar uma dinâmica tão baixa. Se em abril de 2020 foram apenas pedidas 189 unidades em Portugal, no mesmo mês de há um ano tinham, por exemplo, sido registadas 1.750.

Para a consultora, o Alojamento Local reveste-se hoje de um caráter “quase-tóxico”, quando era encarado, até março, como um produto de elevada rentabilidade.

“Quem apostou no AL procura agora alternativas, como a venda de ativos ou a sua colocação no mercado de arrendamento de longa duração. Quem dele dependia para escoar produto reabilitado, vê-se com ativos desvalorizados e com menor procura. Quem nele pensava apostar, retrai-se agora, fruto da elevada incerteza e risco que enquadra o setor”, explica um responsável da consultora.

“É provável que, à medida que o desconfinamento ocorra, a confiança regresse, mas a amplitude da queda de confiança dos profissionais no futuro próximo obriga a que se reflita sobre as melhores estratégias para acelerar a recuperação e a confiança dos consumidores”, conclui

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT