NiTfm live

Saúde

Símbolo de esperança: espanhola de 101 anos sobrevive ao novo coronavírus

Foi a primeira pessoa da região de Huescas a ser internada. Teve alta esta terça-feira, 31 de março.
Há esperança.

Espanha é um dos países mais afetados pelo novo coronavírus, tendo registado esta terça-feira, 31 de março, o recorde de vítimas mortais em 24 horas. No mesmo dia em que o governo anunciou a morte de 849 pessoas, sabe-se que uma espanhola de 101 anos sobreviveu à pandemia.

Não se sabe o seu nome, nem se conhece o seu rosto. No entanto, tornou-se rapidamente no símbolo de esperança num dia trágico. A mulher da região de Huescas foi a primeira pessoa dessa zona a ser internada devido à Covid-19.

No Facebook, a autarca de Biescas, município de Huescas, deu a conhecer a história, destacando que se trata de “um exemplo de esperança e ânimo” para “continuar a lutar”.

A família é muito grata a todo o pessoal médico, vizinhos, amigos… por todos os apoios recebidos. Mas também estão tristes com a má situação que temos em Biescas e pelos vizinhos que morreram”, disse Nuria Parada. 

A idosa foi internada a 15 de março no Hospital de São Jorge, onde estiveram outras quatro pessoas infetadas, tendo uma delas morrido. No total, quatro pessoas desta zona de Espanha perderam a vida.

Desde el ayuntamiento compartiros una buena noticia que nos comunica la familia de la señora de 101 años , fue el primer…

Publicado por Biescas em Terça-feira, 31 de março de 2020

Outras histórias de idosos que superaram a doença

Em Portugal, esta terça-feira, 31 de março, o secretário de estado da Saúde, António Lacerda Sales, deu a conhecer a história de uma idosa portuguesa de 93 anos da Grande Lisboa que chegou ao hospital com um quadro de pneumonia grave, testando positivo para a Covid-19. Após 11 dias de internamento, recuperou e voltou para casa junto do seu marido.

Em Itália, um idoso de 101 anos, que nasceu no ano em que o mundo enfrentava a mortal gripe espanhola, que matou entre 30 a 50 milhões de pessoas, conseguiu recuperar da infeção por Covid-19.

O feito do idoso que ficou conhecido apenas por Sr. P foi destacado pelo município de Rimini, no nordeste italiano, que revelou que a alta foi dada no início desta semana, contrariando as estatísticas que dizem que os mais velhos são também os mais vulneráveis ao novo coronavírus.

Hospitalizado durante uma semana, P rapidamente passou a ser “o avô” de todos os médicos e enfermeiros do serviço, relata o “Corriere della Sera”. “Ele conseguiu. O Sr. P conseguiu. Mesmo aos 101, o nosso futuro não está escrito”, diz Gloria Lisi, vice-presidente da câmara, citada pela “ANSA”.

“Ele viu de tudo, guerras, fome, dor, progresso, crises e ressurreições. Ultrapassada a barreira dos 100 anos, o destino colocou-lhe um novo desafio invisível e terrível ao mesmo tempo”, notou a autarca.

Há também registo do primeiro paciente da província italiana de Modena, no norte do país, a recuperar totalmente desta doença. Mas há mais: é uma senhora de 95 anos, pelo que está mesmo a tornar-se uma verdadeira inspiração

Chama-se Alma Clara Corsini e estava internada no Hospital Pavullo desde 5 de março. A partir daí, tornou-se “o orgulho da equipa médica”, com quem tirou uma fotografia que se está a tornar viral nas redes sociais.

“Sim, sim, estou bem. Eles [os médicos] eram pessoas boas que cuidavam bem de mim e, agora, vão mandar-me para casa daqui a pouco”, pode ler-se numa entrevista, publicada a 19 de março, à “Gazzetta di Modena”.

De acordo com os especialistas daquela unidade hospitalar, a paciente de 95 anos conseguiu curar-se sem recorrer a tratamentos antivirais. 

Entretanto, já teve alta hospitalar e tem sido um símbolo de esperança, uma vez que a maioria das vítimas mortais por Covid-19 são idosos.

Já na China, onde o surto começou, foi relatada a remissão de Covid-19 numa mulher de 103 anos. Zhang Guangden, que estava no Hospital de Liyuan, em Wuhan, conseguiu recuperar após seis dias de tratamento, voltando para casa a 10 de março.

A rápida recuperação da paciente deveu-se ao facto de não ter condições de saúde subjacentes, além de uma bronquite crónica leve, revelou o seu médico, Zeng Yulan, aos repórteres locais.

Um homem de 100 anos com a doença de Alzheimer, hipertensão e insuficiência cardíaca também recuperou do vírus em Wuhan nessa semana, depois de ser tratado por médicos militares.