NiTfm live

Saúde

Estudo confirma que stress pode aumentar a irregularidade dos ciclos menstruais

A investigação está a decorrer na Universidade do Minho. Os investigadores procuram mais voluntárias para continuar a pesquisa.
Mantenha a calma.

Quando a menstruação se atrasa, a suspeita é sempre a mesma: uma gravidez. Mas a verdade é que esta a única causa possível. Os resultados preliminares de um estudo realizado pela Universidade do Minho mostraram que o stress é um dos fatores que podem ter impacto e modificar o ciclo menstrual das mulheres. Os investigadores sublinham que esta disfunção ovulatória é responsável por 35 por cento dos casos de infertilidade feminina.

“Embora a disfunção ovulatória seja muito frequente, os mecanismos subjacentes às suas principais (como o Síndrome do Ovário Poliquístico) ainda não são completamente compreendidos. A falta de conhecimento sobre estes mecanismos e a forma como interagem têm contribuído para orientações clínicas, muitas vezes, incorretas ou pouco eficazes”, explica Vanessa Silva, uma das investigadoras principais do projeto.

Estas conclusões têm por base uma primeira fase do estudo, realizado com recurso a 60 voluntárias, e revelou que as mulheres com ciclos menstruais regulares têm níveis mais baixos de stress.

Na página da Escola de Medicina da Universidade do Minho, os investigadores Rui Miguelote e Vanessa Silva estão agora a pedir a ajuda de mais 60 mulheres com ciclos menstruais irregulares, com idades entre os 18 e os 38 anos, que estejam disponíveis para participar no estudo.

As voluntárias vão passar por uma avaliação clínica com recurso a ecografia, análises hormonais e responder a questionários, para que os investigadores possam compreender o que está a causar a menstruação irregular ou até a ausência dela.

O objetivo dos médicos é “identificar corretamente a causa e corrigir, de forma dirigida, a disfunção, de forma a que uma mulher consiga engravidar de forma segura e eficaz. Todos os exames e acompanhamento das voluntárias são gratuitos”.

As interessadas podem obter mais informações através do site www.inovulacao.com ou pelo email inovulacao@nullgmail.com.