NiTfm live

Saúde

Já existe a primeira aldeia segura do mundo para doentes com Alzheimer

O seu nome é Hogeweyk e fica perto de Amesterdão, na Holanda. Tem dezenas de habitantes que vivem em residências.
Tem sido um projeto desenvolvido aos poucos.

Os habitantes da aldeia de Hogeweyk, perto de Amesterdão, na Holanda, têm uma vida normal. Fazem compras na mercearia, vão ao café, jantam com os amigos, queixam-se do mau tempo e jogam bingo uma vez por semana.

A única coisa que distingue os 160 residentes desta aldeia é que todos eles sofrem de alguma forma avançada de demência, sobretudo da doença de Alzheimer. No fundo, esta é uma unidade de cuidados — um lar bastante evoluído, se preferir — em que tudo parece a vida real.

Isto faz com que estas pessoas sofram menos nos seus últimos anos de vida, diz a gestão de Hogeweyk. Desta forma, podem fazer as suas habituais tarefas diárias em segurança e têm uma maior sensação de autonomia.

O projeto foi criado em 2009 por dois arquitetos, Frank van Dillen e Michael Bol, que têm desenvolvido os vários edifícios que compõem esta aldeia segura (que já existia anteriormente como um lar normal). Há uma equipa que ajuda em tudo o que for preciso, desde arrumar a casa, lavar a roupa ou cozinhar.

Nesta “dementia village”, como se chama este tipo de projeto, a ideia é que os residentes possam ter uma vida social e mais aproximada do normal — ao contrário dos lares tradicionais. No total há 23 residências personalizadas em que os pacientes são divididos por interesses em comum. 

Há vários programas de atividade física e vários estudos já provaram que a interação e estimulação social têm a tendência para desacelerar a progressão das demências.

O projeto está a ter tanto sucesso que está a ser criada uma unidade semelhante na Califórnia, nos EUA. Em todo o mundo existem cerca de 30 milhões de pessoas com Alzheimer. Em Portugal, entre 160 e 180 mil pessoas sofrem de algum tipo de demência. É um número que deverá aumentar nos próximos anos em todo o planeta, segundo a Organização Mundial de Saúde.