NiTfm live

Saúde

Sofreu bullying, perdeu 30 quilos e tornou-se a primeira Body Shaper Expert do País

Izabel de Paula saiu do Brasil com 19 anos para recomeçar do zero e não cometer um suicídio. Leia a entrevista.
Tem 43 anos.

É possível que a conheça por aparecer várias vezes nas contas de Instagram de caras conhecidas portuguesas, desde Mafalda Sampaio a Ana Sofia Martins. No entanto, o nome de Izabel de Paula, a primeira Body Shaper Expert em Portugal, é muito mais do que isso: carrega uma história de dor que, incrivelmente, lhe trouxe todo o sucesso que tem hoje.

A NiT esteve à conversa com a brasileira, de 43 anos, na sua clínica em nome próprio, que fica no número 15 da Avenida António Augusto de Aguiar, a 8 de outubro. Mal entrámos no 1.º esquerdo ficámos logo de frente para uma parede com o seu nome em folha de ouro que reflete a presença de Izabel: irradia luz e felicidade. Mas, acima de tudo, agradecimento pela vida.

Isto tem que ver com o seu percurso até hoje. Tinha apenas sete anos quando começou a ganhar gosto pela estética. Aos nove começou a trabalhar na área, já que arranjava as unhas às tias (tinha uma família grande) para ajudar a família, que passava por algumas necessidades. Foi também a partir dessa idade que começou a engordar sem parar.

Nunca praticou desporto porque não adorava mas também por não existir esse incentivo. Afinal, precisava de ajudar a família a levar dinheiro para casa. Isso não ajudou a manter a forma. No entanto, o bullying que sofreu, dentro e fora da escola, foi a principal razão para chegar a pesar 89 quilos.

“Como era muito feia e gorda, ninguém me queria. Quanto mais gorda eu era, menos as pessoas me viam. E mais do que isso: menos eu própria me via, menos eu gostava de mim”, conta à NiT Izabel de Paula.

Na escola ouvia nomes como baleia assassina e era agredida, chegando mesmo a ser colocada dentro de um barril. Alguns colegas até lhe passavam pimenta na boca. Como queria ter amigos, começou a estudar muito para fazer os testes por eles. Mas as agressões continuaram. 

“O problema é que quando se é gordinho e nos é colocado um rótulo, nunca mais nos livramos dele”

Além do bullying que sofria por causa do excesso de peso, toda a gente lhe apontava o dedo por ser branca e o resto da família ser toda morena. Ouvia muitas vezes que era “adotada” e a “ovelha branca da família”. A partir daí engordou ainda mais.

“Quanto mais triste se fica, mais se quer comer. É uma bola de neve. Não há fome, há vontade de comer”, revela.

Isolou-se e chegou mesmo a pensar em suicidar-se. Porém, quando chegava a hora, pensava sempre na irmã, com uma diferença de quatro anos, de quem cuidava, e desistia. Agarrou-se também ao trabalho na área da estética para se esquecer de tudo o que acontecia na escola, como se fosse uma espécie de escape.

“Hoje em dia, até mesmo nas redes sociais, alguns dos meus antigos colegas continuam a fazer comentários desagradáveis: ‘Baleia assassina, deve ter feito muitas cirurgias plásticas para ficar tão bonita’. Ou seja, ainda continuam com a mesma mentalidade. Eu não fiz nem uma cirurgia plástica. O problema é que quando se é gordinho e nos é colocado um rótulo, nunca mais nos livramos dele. Mas agora tenho o título de primeira Body Shaper Expert em Portugal. Deixei de ser ninguém ou uma coisa má — e não quero com isto dizer que ser gordinha é algo mau — para ser alguém.”

À entrada da clínica.

A fuga do Brasil à procura de uma nova vida 

Entre os nove e os 19 anos, Izabel de Paula — é este o seu nome completo — ganhou cada vez mais peso, chegando aos tais 89 quilos. Acabou o 12.º ano e ainda entrou no ensino superior para estudar Direito, onde continuou a ser vítima de bullying. A brasileira sabia que ficar naquele país só teria um caminho possível: pôr fim à própria vida. Por isso, deixou toda a gente para trás e veio sozinha para Portugal.