NiTfm live

Saúde

É oficial: União Europeia vai acabar com palhinhas e outros plásticos até 2021

Os talheres, pratos, cotonetes e varas para balões também vão ser proibidos.
Este cenário vai acabar.

O uso de alguns plásticos de utilização única, como as palhinhas, foram proibidos formalmente pelo Conselho da União Europeia esta terça-feira, 21 de maio.  A medida anunciada prevê que estes itens desapareçam até 2021.

Estará proibida, então, a venda de palhinhas, talheres, pratos, cotonetes e varas para balões feitos de plástico de utilização única. Ou seja, coisas para as quais já existem alternativas ecológicas. Estes produtos e as respetivas embalagens estão entre os dez principais elementos poluentes encontrados nas praias europeias.

Esta era uma medida que já se previa há algum tempo. A 25 de janeiro, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, revelou que Portugal estaria livre destes utensílios de plástico descartáveis até 2021, sendo que acabou por antecipar a meta para janeiro do ano anterior.

“É um absurdo que se esteja a fabricar com um material indestrutível um bem que se usa uma só vez. Tudo o que é descartável tem mesmo de abandonar a nossa economia e sociedade no menor número de anos possível”, disse na altura.

Como a NiT noticiou, a mentalidade sobre este assunto parece estar a mudar um pouco por todo o lado. Por exemplo, as Escolas de Oliveira do Hospital vão proibir a venda de garrafas, pratos e copos de plástico, bem como utensílios, a partir do segundo semestre. A Pastelaria Versailles também anunciou que os artigos descartáveis vão ser substituídos por peças biodegradáveis na loja da marca no Centro Comercial Colombo, em Lisboa. A Nestlé é outro dos exemplos, já que quer passar a usar apenas materiais recicláveis ou reutilizáveis até 2025.