Saúde

Adolescentes portugueses com “fraco gosto” pela escola e exercício físico

Uma análise da OMS sobre comportamentos e saúde em idade escolar traz alguns alertas para Portugal e pedidos de "ação urgente".
Relatório analisa 45 países.

Um estudo realizado a cada quatro anos pela Organização Mundial de Saúde (OMS) coloca Portugal nos últimos lugares, entre 45 países analisados, em relação a alguns comportamentos e à saúde dos adolescentes em idade escolar.

Segundo avança a “TSF” esta terça-feira, 19 de maio, os dados agora revelados pelo estudo HBSC da OMS dizem respeito a 2018 e às respostas dadas por quase seis mil alunos portugueses com 11, 13 e 15 anos de idade.

Os resultados mostra que em Portugal “é fraca a prática da atividade física” nestes grupos etários, assim como “é fraco o gosto pela escola” e “é elevada a pressão com os trabalhos da escola”. Estes problemas, acrescenta o relatório, persistem desde 1998 e exigem “ação urgente na escola, na comunidade e na família”.

O estudo aponta ainda outros desafios a resolver, como a questão do consumo de álcool, que “apresenta uma tendência de subida”, ainda que com uma descida dos casos de embriaguez. O ciberbullying é inferior à média europeia, a obesidade e peso estão estabilizados, a qualidade da comunicação dos adolescentes com os seus pais também.

Como aspetos positivos, o estudo revela uma descida do consumo de canábis e uma melhoria do comportamento alimentar. A OMS regista no entanto um aumento da tristeza, nervosismo, irritação, dificuldades em adormecer e dores de costas entre os adolescentes portugueses, “mas mesmo assim inferiores à média europeia”.

ÚLTIMOS ARTIGOS DA NiT

AGENDA NiT