NiTfm live

Ginásios e outdoor

Quantas flexões deve (realmente) fazer para ter resultados?

Há um desafio viral na Internet que divide o número ideal em 30 dias. A NiT explica-lhe tudo.

Tome nota de tudo.

Não páram de surgir desafios na Internet para se conseguir um corpo de sonho. Um deles é de 30 dias de agachamentos que prometem o rabo perfeito. Há outro que, no mesmo número de dias, garante uns abdominais definidos. Agora, fala-se de um outro desafio em que as flexões são as protagonistas.

Não é novidade que este exercício é ideal para quem quer trabalhar peito, costas, braços e ombros. É que, no fundo, a flexão constrói a força, o músculo e a resistência. E as vantagens não ficam por aqui, já que se trata de um exercício que não precisa de qualquer equipamento. Só necessita do peso do próprio corpo.

De acordo com o tal desafio viral da Internet, consegue aumentar (e muito) a força da parte superior do corpo em apenas 30 dias. No final, vai poder gabar-se de ter conseguido fazer 60 flexões num dia. Mas calma, o desafio começa com apenas cinco e vai aumentando gradualmente.

Contudo, antes de passarmos à explicação do desafio, é importante que saiba realizar este movimento.

É assim que se faz a flexão perfeita

De acordo com Bobby Maximus, diretor-geral e personal trainer do “Gym Jones” em Salt Lake City, nos EUA, há um pequeno truque pode fazer nas suas flexões para o ajudarem a fortalecer os músculos.

O também antigo membro da polícia canadiana e antigo lutador do Ultimate Fighting Championship (UFC) explica que muitos homens não conseguiram entrar nas forças especiais americanas porque simplesmente não sabiam fazer flexões. Sim, é assim tão grave. Entre os principais erros, há um que Maximus destaca: não tocar com o peito no chão quando se fletem os braços.

“Flexões incorretas – onde não se baixa o peito – não lhe dá um estímulo de força ou a capacidade para construir músculos”, conta.

De acordo com o PT Tiago Silva, isto confirma-se, mas existem mais erros. “Muita gente tende a desviar as mãos da linha do peito, colocando-as mais à frente ou mais atrás do que é suposto. Isto faz com que não se solicitem corretamente os tríceps, os ombros e os antebraços”, explica à NiT.

Lembre-se de que os cotovelos devem manter-se em linha com o corpo e não inclinados para os lados. No entanto, o especialista ressalva também que não será fácil.

“Qualquer pessoa sem muita força de braços dificilmente vai conseguir fazer muitas repetições. Terá que haver primeiro muito treino nesta postura mas com os joelhos no chão e ir ganhando força de trícipes , peito, abdominais e lombares. É que depois, com os pés apoiados, vai exigir imenso dos abdominais e lombares. Não é um teste muito simples para um principiante”, acrescenta.

O desafio é assim

O desafio dura 30 dias e, nesse período, tem três dias de descanso. No primeiro dia, só tem de realizar cinco. Ao segundo passa para as sete flexões e, no seguinte, nove. Ao quarto, quinto e sexto dia passa para as 11, 13 e 15 flexões, respetivamente. No sétimo dia pode, finalmente, descansar.

A partir do oitavo dia, a dificuldade continua a aumentar com 17 flexões. Depois, sobe para 19 (9.º dia), 21 (10.º dia), 23 (11.º dia), 25 (12.º dia), 27 (13.º dia) e 29 (14.º dia). O dia seguinte é novamente de descanso. Neste momento está a metade do desafio.

No 16.º dia terá de realizar 31 flexões e no dia seguinte aumenta para 33. Os dias seguintes são de 35 (18.º dia), 37 (19.º dia), 39 (20.º dia) e 41 (21.º dia) flexões. E mais um dia de descanso.

Preparado para os últimos oito dias? É que vão ser 43 flexões no 23.º dia e 45 no seguinte. No 25.º passa para as 47. Sim, vai aumentar ainda mais: 49 (26.º dia), 51 (27.º dia), 53 (28.º dia), 57 (29.º dia) e, por fim, o momento da verdade, 60 flexões. No fundo, este é o número ideal que se deve fazer para obter os melhores resultados. Contudo, isto só será possível num nível físico mais avançado.

É por isto que o mesmo desafio destaca a importância de cada pessoa poder adaptar as repetições de flexões à condição física. Por exemplo, em vezes de aumentar o número de flexões de dois em dois, pode fazê-lo de um em um.