Ginásios e outdoor

No Limit Runners: o novo grupo de corrida com acompanhamento personalizado

Correr realmente bem, ter uma alimentação focada nos objetivos e cuidar do corpo — é tudo o que pode (e precisa) fazer.

Correr muito é diferente de correr bem.

“Vi um senhor a treinar no Jamor com boa complexidade física mas com má técnica. Cheguei perto dele e disse-lhe para não correr tão inclinado para trás, sendo que ele aceitou aquilo muito bem. Depois, disse-me que colocou as dicas em prática e que fez imensa diferença. Aliás, tinha conseguido o melhor tempo” — este foi o momento não intencional que levou à criação do No Limit Runners, conta à NiT Tiago Silva, 37 anos, técnico desportivo.

O objetivo do novo grupo de corrida de Lisboa, que foi fundando no final de junho, passa por mostrar que “correr não é só correr” e “que requer mais alguma coisa”.

Por isso mesmo, este não é um grupo onde vai encontrar apenas uma pessoa a marcar ritmo à frente e outra no fim do grupo (pacers), como se isso fosse a melhor ajuda possível. No No Limit Runners o acompanhamento é personalizado e pretende que cada corredor consiga alcançar o melhor resultado.

“Vejo pessoas a correr muito mal, com técnica de braços errada ou com uma postura incorreta e, por isso, sempre tive uma grande vontade ajudar”, diz à NiT.

Tiago Silva já conta com 16 anos de atletismo federado, guiou atletas paralímpicos e até treinou miúdos invisuais. Atualmente, também faz parte da equipa de veteranos de atletismo de “Os Belenenses“.

Para o técnico desportivo, há vários corredores que pensam que um relógio de 400€ ou uns ténis de 150€ substituem um técnico e que são o suficiente para começar a correr. Resultado: aparecem lesões que não são supostas.

“A alimentação, além dos resultados a nível exterior, pode determinar se ficamos ou não mais rapidamente cansados durante a prova”

“Confiar a 100 por cento em aplicações também não é uma boa política. Por exemplo, a app da Asics tem planos de treino disponíveis, mas não tem em conta o número de horas que a pessoa trabalha ou o tipo de alimentação.”

Tiago Silva recorda um grupo de três senhoras que está a treinar para a primeira maratona: “É muito provável que a meio da prova elas tenham de ingerir tâmaras ou uma bebida energética e esse tipo de acompanhamento não acontece em aplicações com padrões gerais.”

É precisamente nisso que o novo grupo de corrida se quer diferenciar. O No Limit Runners, nome que quer mostrar que não há limite de idades nem de objetivos, vai ajudar em tudo o que possa influenciar os tempos e a saúde do corredor. Sim, não se trata apenas de bater recordes. Para Tiago Silva, acima de tudo, o foco é sermos saudáveis.

Quero sugerir uma alteração ao texto ou enviar uma mensagem ao autor deste artigo